Reportagem

Dados não trazem dimensão da precariedade, mesmo com esforço dos professores

Edição Impressa
Tipo Notícia Por

Reginaldo Silva, coordenador de Advocacy da ONG Visão Mundial, responsável pela pesquisa "A Voz dos Alunos"

O POVO - Como ter um retorno seguro às aulas presenciais na rede pública?

Reginaldo Silva - O retorno seguro depende muito do investimento público para isso. É preciso espaço adequado, que possibilite distanciamento social. Além do espaço físico, é necessário que haja suporte para as famílias adquirirem kits de proteção. Produtos de limpeza precisam estar na escola e nas casas dos alunos.

OP - Quais os impactos dos cortes orçamentários na educação, nesse cenário?

Reginaldo - Esse é um dos maiores impactos. Houve cortes na área da educação nesse período, com medidas relacionadas à pandemia, teto de gastos e reduziu um valor muito alto da educação. A gente precisa de investimento, não existe retorno seguro sem investimento público pra isso.

OP - De que forma a saúde mental das crianças é um desafio?

Reginaldo - As crianças estão muito preocupadas com o retorno das aulas. É preciso olhar de maneira integral para essa criança, reconhecendo um ser que foi altamente impactado pela pandemia. Crianças acostumadas com o convívio, brincadeira, relações com outras crianças. É preciso pensar a aprendizagem, mas também o apoio psicológico para essa volta ao convívio e essa ansiedade presente nessas crianças. Nós escutamos muitas crianças e elas disseram em sua maioria que tinha o acompanhamento dos professores, pelo Whatsapp, mas esse acompanhamento é precário. Ouvimos crianças que só tinham um celular em casa e para fazer as tarefas, assistir aula, tinham de esperar o pai voltar para casa à noite. Esses dados, quando são apenas números, não trazem a dimensão da precariedade desse ensino a distância, mesmo com todo esforço dos professores. A Prefeitura de Fortaleza tem ajudado com alimentação, mas não chega em todos, porque uma parte das crianças disseram na pesquisa que passaram fome. Quando a gente entrevistava, algumas crianças respondiam que estavam assistindo aula pelo Whatsapp. Não tem como fazer isso, principalmente, no caso de quem utiliza celular com conexão de dados. Esses dados acabam e esses alunos chegam a ficar 15 dias sem acesso. Outra coisa importante, é preciso dar atenção aos professores e capacitação para a utilização das ferramentas tecnológicas.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais