Reportagem

Guedes diz que inflação Brasil se deve a comida e energia

Economia. Consumidor
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Fortaleza acumula alta de 6,08% no ano e detém segunda maior inflação do Brasil; veja o que ficou mais caro  (Foto: BARBARA MOIRA)
Foto: BARBARA MOIRA Fortaleza acumula alta de 6,08% no ano e detém segunda maior inflação do Brasil; veja o que ficou mais caro

O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou ontem que a inflação é uma realidade no mundo inteiro. Segundo disse em entrevista à CNN Internacional, o aumento dos preços de alimentos e energia são os responsáveis por metade dos índices do País

"Vamos aumentar a transferência direta de renda para população pobre para cobrir os preços dos alimentos e da energia", disse o ministro, que está nos Estados Unidos para reuniões do Fundo Monetário Internacional (FMI).

O governo planeja o lançamento do Auxílio Brasil, programa social de transferência de renda substituto do Bolsa Família. A ideia é de que o benefício seja de R$ 300, superior aos R$ 190 pagos em média pelo Bolsa Família, criado ainda no primeiro governo Lula (PT).

O novo programa terá três modalidades de benefício: para primeira infância, para famílias com jovens de até 21 anos de idade e para a complementação de famílias que não conseguirem sair da extrema pobreza mesmo após receber benefícios anteriores.

Guedes foi questionado sobre a offshore e respondeu que o investimento é legal, pois informado à Comissão de Ética da Presidência da República.

Guedes ressaltou que se afastou do comando da empresa antes de aceitar conduzir a economia do País no governo Bolsonaro. "E além disso, na semana passada, a Suprema Corte brasileira arquivou o caso", disse ele sobre decisão do ministro Dias Toffoli pelo arquivamento de dois pedidos para que fosse aberta uma investigação sobre as empresas offshore dele e do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, também citado na investigação Pandora Papers.

Um dos pedidos foi apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). O outro, pela Associação Brasileira de Economistas pela Democracia (Abed).

Na entrevista, Guedes também defendeu o governo brasileiro de um questionamento sobre a atitude perante a pandemia de Covid-19, de defender a abertura da economia mesmo com a circulação do vírus.

"Nós gastamos mais que o dobro do que a média dos países emergentes e 10% mais do que os países ricos salvando vidas. Não aceito sua narrativa. Nós gastamos mais dinheiro salvando vidas do que vocês", afirmou. (Carlos Holanda)

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais