Vida & Arte

Primeira temporada de "Cine Holliúdy" será reprisada nesta terça, 7, na Rede Globo

A primeira temporada da série será transmitida pela segunda vez na TV Globo a partir de terça-feira, 7 de julho. A segunda temporada ainda não tem previsão de estreia
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Letícia Colin e Edmilson Filho são os protagonistas da série
Foto: Divulgação/Rede Globo Letícia Colin e Edmilson Filho são os protagonistas da série "Cine Holliúdy". Abaixo, Colin, Matheus Nachtergaele e Heloísa Perissé, também no elenco

O que é uma vida sem sonhar? A esperança é o motivo que faz milhões de brasileiros acordarem todos os dias para resistir. Entre a situação política, a pandemia e a crise financeira, pessoas lutam pela sua fé na existência. É esse mesmo sentimento de perseverança - quase teimosia - que move Francisgleydisson da Silva (Edmilson Filho).

Na cidade fictícia de Pitombas, localizada no interior do Ceará, o homem se esforça para manter seu cinema "Cine Holliúdy". Mas, na década de 1970, a popularidade dos filmes transmitidos ganha uma ameaça: uma televisão que foi colocada em praça pública pelo prefeito Olegário (Matheus Nachtergaele).

A chegada desse novo sistema eletrônico, comprado com o dinheiro público, tinha somente um objetivo: atender às exigências materiais das novas companhias paulistas do político, da mulher Maria do Socorro Maciel (Heloísa Périssé) e da enteada Marylin (Letícia Colin). Com um cearense sonhador, uma jovem da capital que desconhece a cultura regional, um político corrupto e uma primeira-dama audaciosa, os personagens representam situações comuns do cotidiano brasileiro.

A paródia da vida real, que conta com dez episódios na primeira temporada, é baseada na história do curta-metragem "Cine Holliúdy - O artista contra o caba do mal", de 2004, e que virou um longa que conquistou a indústria cinematográfica em 2013. Lançada pela primeira vez em 2019, na TV Globo, a série volta a ser exibida a partir do dia 7 de julho, às 22h30min, para substituir "Aruanas".

Um dos principais méritos do enredo é levar o Brasil para seus cidadãos. Francisgleydisson da Silva, Marilyn, Maria do Socorro Maciel, Olegário Maciel e tantos outros personagens mostram o Ceará para a televisão, mesmo que a série tenha sido filmada em Areias, um município com pouco mais de 3 mil pessoas, no interior de São Paulo.

">

Dirigida por Halder Gomes, Patricia Pedrosa e Renata Porto, a comédia foi criada por Marcio Wilson e Claudio Paiva. A obra, que mostra a perseverança de Francis para continuar com o cinema no interior do estado, representa a importância do sonho. "O Brasil precisa resistir e continuar sonhando. Não podemos perder a esperança. Tem nuvem de gafanhotos, nuvem de poeira, a política de Brasília, a milícia no Rio de Janeiro. Tenho observado como está sendo difícil sustentar o sonho. Mas a desesperança é muito ingrata", afirma Claudio Paiva.

Segundo ele, a história é datada em 1970, mas não perde a atualidade. "A série é datada por causa do conflito da televisão. Mas, mesmo na segunda temporada, voltamos a explicar que, naquela terra, tinha repressão, censura e ditadura. Ironicamente, não é muito diferente do que a gente vive", explica.

O criador Marcio Wilson também complementa o ponto de vista de Claudio Paiva. Em um momento com tantas adversidades, o brasileiro precisa lembrar de rir e ter leveza no dia a dia. "O legal da série é que a gente parte de um fato real do cinema do interior e, em Pitombas, a gente conta o Brasil. E agora o brasileiro está precisando rir de si mesmo. Com a agressividade que a gente vê hoje, isso não tem acontecido", opina.

Na opinião do diretor cearense Halder Gomes, a obra traz ainda outro elemento: a representatividade. "(O nordestino) é um público muito apaixonado, com muito orgulho de sua cultura. Mas se a gente errasse a mão (na produção), seria muito grave. E a gente viu essa sensação de representatividade, de estar na Globo, porque as pessoas não davam apenas 'parabéns', o sentimento era diferente, de orgulho", comenta.

">

"Cine Holliúdy" dialoga diretamente com a vida real. A história que antes era um curta-metragem e, depois, se tornou dois longas, agora conta também com uma adaptação para o inimigo de Francis: a televisão. "Diferente do cinema, você vê o impacto da TV na hora. Se você sai de casa, não tem uma pessoa que não assistiu. O alcance é uma coisa doida. O cinema tem limitação de sala e até onde eu posso ir. São experiências bem diferentes", pontua Halder.

Com uma segunda temporada já confirmada, a série chega às casas novamente como um instante de afeto. "A tecnologia está salvando a gente dessa solidão absoluta. Estar no ar de alguma maneira com trabalhos são formas bonitas de ficarmos vivos. E esta é uma obra para o brasileiro fazer as pazes consigo mesmo", diz o ator Matheus Nachtergaele.

Novidades na 2ª temporada

Com uma segunda temporada confirmada, a continuação trará Maria do Socorro Maciel como prefeita e um novo amor para Francis. "A gente trabalhou (no roteiro) com o viés da paródia do Brasil. Com relação ao assunto, ainda tratamos do cinema. Trabalhamos com o realismo fantástico. Mas tivemos o desafio de construir o novo amor para o Francisgleydisson e trazer uma prefeita nos anos 1970", comenta Marcio Wilson.

Segundo Claudio Paiva, o roteiro também estará mais amadurecido, como é de praxe dos seriados. "A gente já conhecia o elenco e todas as possibilidades que ele oferecia. A possibilidade de fazer uma segunda temporada é a possibilidade de ter um trabalho mais amadurecido, mais coeso", diz.

De acordo com a diretora Patrícia Pedrosa, a primeira temporada tinha outros desafios. "Tínhamos muita coisa para ajustar. O elenco tinha gente do cinema e da televisão. Ficamos três meses imersos nesse trabalho para ajustar", comenta. Essas situações devem ser atenuadas nas próximas gravações.

Porém, "Cine Holliúdy" não tem data de lançamento prevista devido à pandemia do Covid-19. "Há outros produtos que precisam começar a filmar antes da gente. A Globo tem que colocar as novelas no ar. Há muitas pessoas trabalhando para a gente voltar, mas não tenho nenhuma novidade", explica Patrícia.

Segundo ela, o local das próximas filmagens também é incerto. A possibilidade de voltar a Areias, no interior de São Paulo, depende de diversos fatores que ainda não têm respostas. Existe também a alternativa da série ser gravada nos estúdios.

Cine Holliúdy

Quando: toda terça-feira, a partir de 7 de julho, às 22h30min

Onde: no canal aberto da TV Globo

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais