Foto de João Gabriel Tréz
clique para exibir bio do colunista

João Gabriel Tréz é repórter de cultura do O POVO e filiado à Associação Cearense de Críticos de Cinema (Aceccine). É presidente do júri do Troféu Samburá, concedido pelo Vida&Arte e Fundação Demócrito Rocha no Cine Ceará. Em 2019, participou do Júri da Crítica do 13° For Rainbow.

João Gabriel Tréz cinema&série

Documentário dirigido por cineasta do Jangurussu celebra história de projeto social do bairro

Produção realizada pelo fotógrafo e cineasta Leo Silva, curta-metragem "Uma História de Amor, Esperança e Fé" introduz história de projeto social do Conjunto Santa Filomena
Tipo Notícia
Criado em 2008, o projeto social Meninos de Deus oferece, a partir de treinos de futebol, lições sobre cultura de paz e coletividade (Foto: fotos reprodução)
Foto: fotos reprodução Criado em 2008, o projeto social Meninos de Deus oferece, a partir de treinos de futebol, lições sobre cultura de paz e coletividade

Nos primeiros minutos de "Uma História de Amor, Esperança e Fé", o rapper Ronny Relato enuncia na narração uma ideia que reúne, em si, uma das principais intenções do curta dirigido pelo fotógrafo e realizador Leo Silva: "Tô buscando me conhecer. Tenho estado em cada canto desse lugar, cada beco, cada viela, cada rua", divide. O mergulho na própria história e na do lugar ao qual pertence é um dos nortes do filme, que introduz a história do projeto social Meninos de Deus. Com 12 anos de atuação na comunidade do Conjunto Santa Filomena, no Jangurussu, a iniciativa oferta, a partir de treinos de futebol para crianças e jovens do território, lições sobre coletividade, cultura de paz e transformação. O filme, fomentado com recursos da Lei Aldir Blanc via Secretaria da Cultura de Fortaleza, já está disponível no canal do YouTube do projeto.

Nascido e criado na comunidade do Santa Filomena, Leo explica que acompanha, desde a criação, o projeto idealizado pelo ex-jogador e morador do bairro Paulo Uchôa. "Por estar no local que resido desde que nasci e de eu ter visto o grupo nascer e as gerações passarem, o Meninos de Deus e a relação com eles se tornam muito importantes", considera o diretor.

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por E u , L e o S i l v a (@desconectaoleo)

A criação da iniciativa, em 2008, vem na esteira do que Leo define como "um processo delicado na comunidade", marcado por envolvimento de crianças e jovens com a violência. "O Paulo começou a pensar em um projeto social, entendeu que tinha um meio de frear essas violências", narra o diretor.

"Ele se reuniu com diversas lideranças da comunidade para pensar meios de puxar o diálogo. Paulo é uma referência de coletividade, da mudança de um local a partir de uma perspectiva. Como ele diz, o Meninos de Deus não é só futebol, é muito mais", define. O título do curta, "Uma História de Amor, Fé e Esperança", faz referência à frase norteadora do projeto.

Inicialmente distante, o acompanhamento de Leo começou a se estreitar a partir de 2018, quando, estimulado pela vontade de voltar o olhar à própria comunidade, decidiu fotografar treinos das crianças e jovens atendidos pelo projeto. Os laços se fortaleceram para além dos registros, desdobrando-se em trocas de vivências e, então, na inspiração de realizar um documentário sobre o grupo.

Dirigido por Leo Silva, 'Uma História de Amor, Fé e Esperança' apresenta história de projeto social no Jangurussu
Foto: reprodução
Dirigido por Leo Silva, 'Uma História de Amor, Fé e Esperança' apresenta história de projeto social no Jangurussu

"Comecei a rascunhar a ideia e, toda vez que ia fotografar lá, fazia alguns takes pra ir guardando. As trocas foram me dando outro olhar sobre o grupo, vi que, caraca, tinha mais coisa ali. Você vai entendendo a importância pra comunidade", relata.

Mais recentemente, o diretor revisitou os arquivos de registros já feitos, como entrevistas com pessoas voluntárias, e foi procurando uma linha narrativa para dar vazão à obra. Ela veio na figura de Ronny, que trabalha como voluntário no grupo.

"Ele é uma das pessoas que mais entrevistei e, na edição, se tornou importante porque vai narrando o processo, dá a abertura para, a partir dos voluntários, introduzir a história da comunidade e dos Meninos de Deus", aponta.

É a partir da fala e do percurso de Ronny que "Uma História de Amor, Fé e Esperança" se desenrola, ouvindo também relatos de Paulo e de Valônia Cruz, voluntária e mãe de um dos atendidos pelo projeto. O filme traz ainda registros recentes das crianças nas ruas do Santa Filomena e imagens de arquivo da época de criação do grupo, cumprindo também um papel de resgate histórico da própria comunidade.

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por E u , L e o S i l v a (@desconectaoleo)

"Desde que comecei a fazer cursos de fotografia, audiovisual, todos os meus trabalhos têm sido voltados pra cá, que é o local onde estou e me sinto mais à vontade. Ter relação com minha comunidade, com as pessoas, meus vizinhos, amigos, se torna muito importante pra isso", avalia o diretor.

Leo destaca a parceria com o amigo Thiago Campos, também morador da região e com quem divide a operação de câmera da obra. "A gente tem várias ideias de filmes a partir da própria comunidade, construindo essas histórias a partir dos diálogos com as pessoas", afirma.

O olhar "de dentro" lançado a partir do filme para a comunidade do Santo Filomena, ressalta o diretor, tem diferentes níveis de relevância. "A narrativa de dentro pra fora se torna importante porque o pessoal vê outro olhar. Não é uma pessoa de fora que tá filmando, fotografando. É algo de dentro. É um processo super importante não só pra gente. Quando as pessoas veem o olhar de dentro, de uma pessoa que realmente entende aquele local, ele não é distorcido", defende.

 

Uma História de Amor, Esperança e Fé

Disponível no link: bit.ly/AmorEsperancaeFe

Mais informações: @desconectaoleo ou @meninos_de_deus

 

Diretor divide planos de aprofundar a história dos Meninos de Deus em um longa-metragem

Em 16 minutos, o curta "Uma História de Amor, Esperança e Fé", nas palavras do diretor Leo Silva, "introduz" elementos históricos da comunidade do Santa Filomena, Jangurussu - onde ele nasceu, mora e se debruça para a produção fotográfica e audiovisual -, e do projeto social Meninos de Deus.

Após o lançamento do filme, a intenção é aprofundar a abordagem e produzir um documentário em longa-metragem sobre a iniciativa e o território. "A história dos Meninos de Deus é super longa. A gente entende que um curta não daria para detalhar melhor algumas questões ou até mesmo histórias de transformação, mudanças de vida", aponta o cineasta.

No momento, a concretização da vontade esbarra no cenário de pandemia, mas Leo divide que a perspectiva é ir trabalhando em frentes possíveis para conseguir lançar o longa em 2022. A previsão para este ano, antecipa, é conseguir adiantar não somente o roteiro, mas também "alguns corres para conseguir financiamento".

"Eu e o Thiago (Campos, operador de câmera do curta) já estamos roteirizando devagarzinho, sempre em diálogo com os próprios meninos, porque tem que ter esse respaldo, aprovação, deles do que a gente tá construindo em narrativa", explica. "Mas tudo depende do processo da pandemia. A gente tem os desejos, mas eles têm que estar atrelados ao isolamento social. Enquanto isso, a gente vai estudando, escrevendo, pensando e rascunhando", afirma.

O caminho buscado pela destrinchar no longa é justamente o de ressaltar histórias de transformação advindas do projeto. "Ele teve grande importância na vida social a partir de atividades, oficinas. São mudanças extraordinárias que poucas pessoas poderiam esperar. Pretendemos contar com mais detalhes, numa narrativa mais direcionada, essas histórias", divide.

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais