Vida & Arte

"Carcará Foto Conferência" descentraliza os diálogos sobre fotografia

Com o objetivo de descentralizar as discussões sobre a fotografia, a Carcará Foto Conferência recebe profissionais de diferentes periferias do Brasil durante as sextas-feiras e os sábados de agosto
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
'Dança para um futuro cego' (2021), de Maria Macêdo (Foto: JAQUE RODRIGUES/Divulgação)
Foto: JAQUE RODRIGUES/Divulgação 'Dança para um futuro cego' (2021), de Maria Macêdo

O carcará sobrevoa o sertão nordestino à procura de alimento. Com sua face vermelha e seu bico branco, é um oportunista: nutre-se de quase tudo que encontra pelo caminho, de animais vivos até de lixo produzido por humanos. Ele pode viver solitário, mas, quando está em grupo, tem o hábito de dividir aquilo que come com as aves próximas. Sua capacidade de sobreviver de diversas maneiras e ainda prover para a própria espécie inspirou o nome da "Carcará Foto Conferência", que realiza sua segunda edição a partir desta sexta-feira, 6 de agosto.

O evento, que continua on-line em respeito às medidas de distanciamento social, tem o objetivo de dialogar com fotógrafos das mais diversas periferias brasileiras. Busca, a partir de encontros virtuais, valorizar os profissionais, divulgar novos trabalhos, romper com estereótipos e discutir questões que envolvem a sociedade. "Sempre tivemos pouco espaço ou nunca estivemos em muitos espaços. Juntar essa galera em um lugar único para mostrar suas produções narrativas se torna super importante. Existem vários eventos na cidade que sabemos muito bem quem são os convidados. Agora, estamos buscando algo que seja nosso, mas que não fique só entre nós", explicita Leo Silva, um dos organizadores e articuladores do evento.

Nesta busca por expansão, a iniciativa que surgiu no Ceará no ano passado ecoa em outras regiões: há representantes do Maranhão, Rio de Janeiro, São Paulo e Pará. Uma das grandes presenças será João Roberto Ripper. Ele tem grande influência na fotografia documental e humanitária no País. Entre suas contribuições, denunciou trabalhos escravos em minas de carvão, registrou a busca dos indígenas Guarani Kaiowá por direitos básicos e também fundou a Escola de Fotógrafos Populares no Complexo da Maré.

Leia também | Centro Cultural Bom Jardim recebe propostas artísticas até domingo, 8

Além dele, ainda há profissionais indígenas que documentam a cultura de seus povos, como Rafa Anacé, Débora Anacé, Pepyaká Krikati, Antônia Beatriz Silva Lourenço, Luan de Castro Tremembé, Aruena Tabajara e Alleff Utah. A maioria dos convidados também são negros e/ou travestis, como Ellícia Maria e Sy Gomes. "As vivências no Brasil são diversas. A Carcará tem essa diversidade que possibilita conhecer outras periferias", afirma Leo Silva. A programação acontece às sextas-feiras e aos sábados de agosto, no canal do Youtube da iniciativa.

Para Karine Araújo, artista visual, produtora cultural e articuladora do evento, a importância dessa realização está em permitir o diálogo entre ideias, trabalhos e produções distintos. "A importância está na existência dessas pessoas e nos diálogos que se encontram, se atravessam e divergem. É importante também trazer alguns pontos de divergência para romper essa narrativa única de que todas as pessoas marginalizadas pensam a mesma coisa. Há muitos pensamentos que se confrontam. A gente traz essas pessoas, porque a periferia é múltipla", indica.

Criada com o objetivo inicial de homenagear o Dia Mundial da Fotografia, celebrado no próximo 19 de agosto, a conferência busca romper com o espaço de marginalização em que muitas pessoas foram colocadas. "É um desafio muito grande a gente estar produzindo um espaço não somente para nós, mas para vários dos nossos e para além dos nossos. Produzir um espaço onde queremos nos colocar como protagonistas, como pessoas que não querem estar nas fronteiras do que nos foi colocado. Queremos adentrar no espaço dos sonhos, das utopias, das possibilidades", ela comenta.

Leia também | Cineteatro São Luiz realiza mostra da Pandora Filmes a partir de quinta, 5

Em sua segunda edição, os organizadores já planejam o futuro. Uma das propostas em mente é a educação da imagem. Karine Araújo e Nágila Gonçalves, outra realizadora, buscam criar um espaço de formação. "A gente chegou à ideia de que a Carcará poderia trazer mais um espaço para além da foto conferência. É um espaço que está em formação, continuando com nosso eixo central de trazer como protagonistas desses estudos pessoas que estão em diferentes contextos de marginalização", propõe.

Mas, de tudo que está sendo pensado, a principal meta é continuar voando - assim como o carcará. "Nossos próximos passos são continuar voando em bando e individualmente, quando for necessário, percebendo o que está ao nosso redor e levando percepções para além do que sempre é percebido. A gente não quer se limitar. A gente já vive em uma sociedade que nos coloca fronteiras, barreiras e desafios. A gente quer continuar voando, continuar caçando, continuar nos alimentando e alimentando os nossos", reflete Karine.

Programação do fim de semana

sexta-feira, 6
16 horas - “Percepções Periféricas”, com João Ripper e mediação de Karine Araújo e Nágila Gonçalves
18 horas - “Pajés da Periferia”, com Lucas Sipya Kariri e mediação de Iago Barreto
20 horas - “A fotografia como uma ferramenta de luta e poesia!”, com Bruna Kessia e mediação de Leo Silva

sábado, 7
16 horas - “Fertilização da Memória”, com Maria Macêdo, Flávia Almeida e mediação de Jaque Rodrigues
18 horas - “Visualidades e criações periféricas”, com Marcela Lisboa e mediação de Nágila Gonçalves
20 horas - “A bíblia da travesti preta é a memória”, com Ellicia Maria e mediação de Linga Acácio

sexta-feira, 13
16 horas - “Aonde Sou Bem Recebido / O Vento Nos Levará?”, com Ozeias Araújo, Luiz Freire e mediação de Yuri Juatama
18 horas - “ATL 2021”, com Pepyaka Krakiti e mediação de Iago Barreto
20 horas - “FotoPeriféricas e suas narrativas”, com Bianca Souza e mediação de Leo Silva

sábado, 14
16 horas “Espiritualidade, ecologia e fotografia”, com Byya Kanindé e mediação de Iago Barreto
18 horas - “Escrevivências fotográficas”, com Pâmela Queiroz, Vilma Neres e mediação de Jaque Rodrigues
20 horas - “Fotografia, periferia e lugar”, com Leonardo Carvalho e mediação de Leo Silva

sexta-feira, 20
16 horas - “Cultura Tremembé da Barra do Mundaú / Olhar fotográfico: grafismos indigenas pelo povo Anacé”, com Luan Tremembé, Débora Anacé e mediação de Iago Barreto e Karine Araújo
18 horas - “Caboclo Futurismo/ Memórias da retomada de São Sebastião”, com Kadu Xukuru, Rafa Anacé e mediação de Iago Barreto e Karine Araújo
20 horas - “Série Postais”, com Paloma Pajarito e mediação de Nágila Gonçalves

sábado, 21
16 horas - “Imagens para traçar rotas de fuga”, com Madu Moreira e mediação de Nágila Gonçalves
18 horas - “Praias Periféricas / História De Pescador”, com Joyce S. Vidal, Emília Teixeira e mediação de Yuri Juatama
20 horas - Encontro com Jenyfer Souza e mediação de Leo Silva

sexta-feira, 27
16 horas - “Fotografia e afeto entre lagoa dos tapeba e Cajueiro dos Tabajara”, com Allef Itapewa, Aruena Tabajara e mediação de Iago Barreto e Karine Araújo
18 horas - “A fotografia e minhas memórias”, com Thais Alvarenga e mediação de Leo Silva
20 horas - “Receita para criar novas espécies”, com Sy Gomes e mediação de Linga Acácio

sábado, 28
16 horas - “Travestis (não) são gestadas em nove meses”, com Vita Da Silva e mediação de Linga Acácio
18 horas - “Álbum Preto / Campo De Passagem”, com Felipe Camilo, Matheus Dias e mediação de Yuri Juatama
20 horas - “Arquivamento da Memória, Fotografia e Afeto”, com Rafael Fernandes e mediação de Leo Silva

Fotógrafos participantes

- Alleff Utah

- Antônia Beatriz Silva Lourenço

- Aruena Tabajara

- Débora Anacé

- Ellícia Maria

- Emilia Teixeira

- Felipe Camilo

- Flávia Almeida

- J. R. Ripper

- Jenifer Sousa

- Joyce S. Vidal

- Késsia Nascimento

- Luan de Castro Tremembé

- Lucas Sipya Kariri

- Luiz Freire

- Madu Moreira

- Marcela Lisboa

- Maria Macedo

- Matheus Dias

- Ozeias Araújo

- Paloma Pajarito

- Pâmela Queiroz

- Pepyaká Krikati

- Rafa Anacé

- Sy Gomes

- Thais Alvarenga

- Vilma Neres

- Vita da Silva 

II Carcará Foto Conferência

Quando: às sextas-feiras e aos sábados de agosto, entre 16h e 20 horas

Onde: no canal do Youtube do evento

Mais informações: no site carcara-foto.redelivre.org.br ou no perfil do Instagram @carcara.fotoconferencia

Podcast Vida&Arte

O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais