Reportagem Especial

Pesquisador cearense participa da descoberta de nova espécie de pterossauro no Brasil

O pesquisador cearense Renan Bantim, do Laboratório de Paleontologia da Universidade Regional do Cariri, está entre os cientistas que descobriram a nova espécie do réptil voador que habitou o território onde hoje é o estado do Paraná

Pesquisador cearense participa da descoberta de nova espécie de pterossauro no Brasil

O pesquisador cearense Renan Bantim, do Laboratório de Paleontologia da Universidade Regional do Cariri, está entre os cientistas que descobriram a nova espécie do réptil voador que habitou o território onde hoje é o estado do Paraná
Tipo Notícia Por

Uma nova espécie de pterossauro, que habitou o Brasil entre 80 e 110 milhões de anos, foi descrita e apresentada à comunidade cientifica nesta segunda-feira, 19. O artigo, publicado na Revista da Academia Brasileira de Ciências e que revelou a existência do Keresdrakon vilsoni ou “Dragão espírito da morte” no território do Paraná, é assinado também pelo paleontólogo cearense Renan Bantim – doutor e pesquisador do Laboratório de Paleontologia da Universidade Regional do Cariri (LPU).

A pesquisa foi coordenada pelo Centro Paleontológico da Universidade do Contestado (Cenpaleo), no Norte de Santa Catarina, e analisou entre 2012 e 2014 fósseis de ossadas encontradas, em 1971, numa propriedade rural particular de Cruzeiro do Oeste, no Paraná.

Segundo Luiz Carlos Weinschütz, coordenador do estudo e professor da Cenpaleo, a nova espécie de pterossauro provavelmente vivia em pequenos grupos, em áreas desertas, com pouca vegetação e oásis de água. O réptil voador é contemporâneo dos dinossauros, carnívoro e foi considerado de grandes dimensões, com bico grande e forte.

Os pesquisadores concluíram que o Keresdrakon vilsoni tinha 2,50 metros de envergadura e pesava entre 15 kg e 20 kg. Como o réptil alado não tinha penas, ele teria de ser muito leve para voar com ossos muito finos. “Uma espessura de 1,5 mm”, segundo Luiz Carlos Weinschütz.

A nova espécie foi descoberta no cemitério dos pterossauros, no Paraná
A nova espécie foi descoberta no cemitério dos pterossauros, no Paraná

A demora para a descrição e publicação sobre o Keresdrakon vilsoni se deu em consequência da descoberta de outros fósseis de animais na mesma região. Primeiro foram feitas as divulgações do pterossauro Caiuajara dobruskii e do lagarto Gueragama sulamericana.

O nome Keresdrakon é a junção de "Keres", que significa na mitologia Grega “espíritos que personificaram a morte violenta e estão associados a fatalidade”. E Drakon, também do grego antigo e é o verbete para “dragão” ou “enorme serpente”. Vilsoni é uma alusão a Vilson Greinert, voluntário do Cenpaleo que trabalha com as espécies do “cemitério dos pterossauros”. O fóssil do réptil alado está na coleção do Museu da Terra e da Vida, na Universidade do Contestado, em Mafra, e pode ser visitado.

GEOPARK ARARIPE

De acordo com o professor Renan Bantim, da Universidade Regional do Cariri (Urca), “a descoberta de mais uma espécie de pterossauro no bone-bed (cemitério dos pterossauros) abre um leque de possibilidades para estudos ecológicos comportamentais com base em fósseis. Principalmente com o auxílio da paleohistologia, uma técnica em evidência nas pesquisas mundiais, porém ainda pouco explorada no Brasil”. Bantim aplica o procedimento nos achados da Geopark Araripe, na bacia geológica que leva o mesmo nome no Cariri cearense.

Renan Bantim revela ainda que o Keresdrakon vilsoni é um pouco menor que a maioria dos pterossauros encontrados na bacia do Araripe, no Geopark da Unesco criado em 2006, no Ceará. Até hoje, foram descritos 25 pterossauros aqui. O Keresdrakon é apenas o segundo descrito no Brasil fora do Cariri cearense. “Isso amplia a possibilidade de encontrar outros animais em outras partes do País”, comemora o paleontólogo.

A investigação paleontológica do Cenpaleo foi feita em associação com pesquisadores do Laboratório de Paleontologia da Universidade do Vale do Cariri, com a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), com a Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Paranaense (Unipar), Museu Nacional/UFRJ e com a Universitat Autonoma de Barcelona.

Essa notícia foi relevante pra você?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Conteúdo exclusivo

Saiba mais

Estamos disponibilizando gratuitamente um conteúdo de acesso exclusivo de assinantes. Para mais colunas, vídeos e reportagens especias como essas acesse sua conta ou assine O POVO +.

Logo O POVO Mais