Ciência e Saúde

Fóssil em Itapipoca indica que Ceará teve clima mais ameno há 10 mil anos

Edição Impressa
Tipo Notícia Por
As preguiças gigantes foram os maiores mamíferos que viveram no Brasil. (Foto: Reprodução/ Rodolfo Nogueira)
Foto: Reprodução/ Rodolfo Nogueira As preguiças gigantes foram os maiores mamíferos que viveram no Brasil.

Nova descoberta sobre fóssil descoberto em 1961 em Itapipoca, no Ceará, traz revelações sobre o passado do território. Os fragmentos pesquisados provavelmente estão entre o material destruído no incêndio do Museu Nacional. Porém, fotografias e descrições anatômicas detalhadas permitiram novas conclusões após 60 anos. As conclusões estão no artigo “Ressuscitando das cinzas: os maiores cervos da América do Sul (Cetartiodactyla: Cervidae) já vagaram pelo Nordeste do Brasil” (em tradução livre do inglês), publicado em janeiro na revista científica internacional “Journal of South American Sciences”. Elas indicam que a região Nordeste já foi uma região de extensas pastagens naturais e clima ameno.

 

LEIA MAIS SOBRE A DESCOBERTA AQUI

Confira entrevista com Celso Lira Ximenes, geólogo e paleontólogo, curador do Museu de Pré-História de Itapipoca.

O POVO - Qual a importância da descoberta que cervos-gigantes viveram no Ceará?

Celso Ximenes - Todo e qualquer fóssil, por menor ou mais fragmentado que esteja, é de grande importância para uma série de interpretações sobre os antigos ambientes em que os seres vivos habitaram. Isso ajuda a entender como os biomas atuais se desenvolveram, quais os estágios desse desenvolvimento e se podem nos dar pistas da tendência de modificação futura, principalmente nos aspectos climáticos, que poderiam afetar a sobrevivência humana.

OP - A pesquisa desenvolvida faz uma revisão e reclassificação de fósseis que já haviam sido identificados. Isso é comum na Paleontologia?

Ximenes - As peças já haviam sido estudadas anteriormente pela paleontóloga carioca Márcia Gomide da Silva Mello, que em 1989 as identificou na época como pertencentes a dois cervos da fauna brasileira atual, portanto, ainda viventes. O fato de as identificações terem sido modificadas não significa que ela tenha cometido erros. Na Paleontologia, revisões científicas em fósseis são comuns e até necessárias. É assim que a Ciência avança. O que ocorre é que Gomide trabalhou com o que tinha disponível na época, em termos de tecnologia laboratorial, acesso a coleções científicas de referência (que muitas vezes estão em outros países) e informações de anatomia comparada na literatura científica. Passados mais de 30 anos, Alline Rotti e seus colaboradores não só tiveram melhor acesso a esses recursos, como puderam contar com novas descobertas de fósseis, que possibilitaram uma melhor visão interpretativa.

OP - O que mais chama a atenção na descoberta desses animais?

Ximenes - Uma questão importante é o gigantismo desses cervos. A massa corporal média estimada para Morenelaphus é de 118 kg, mas que podia chegar a 150 kg, o que seria um pouco mais que o maior cervo vivente da América do Sul, o Cervo-do-Pantanal (Blastocerus dichotomus), que tem em média 100-110 kg. Porém, em contraste ao cervo-do-pantanal, que tem chifres pequenos em relação ao corpo, o Morenelaphus tinha os chifres mais desproporcionais (grandes e longos) e mais complexos entre os cervídeos que já ocorreram na América do Sul. Já o outro cervo-gigante de Itapipoca era muito maior que Morenelaphus, superando, provavelmente, os 200 kg. Outro ponto é a ampliação da ocorrência geográfica de fósseis do cervo-gigante Morenelaphus na América do Sul. Além do Brasil, esse cervo viveu em territórios da Argentina, Uruguai, Paraguai e Bolívia. A grande novidade é que a ocorrência de Itapipoca passa a ser o registro de Morenelaphus mais ao norte da América do Sul.

OP - O que essa descoberta pode dizer sobre o Ceará de mais de 10 mi anos atrás?

Ximenes - Segundo os autores da pesquisa, a presença dos cervos-gigantes no Nordeste pode sugerir que havia temperaturas mais amenas para esta região do que as condições climáticas atuais. Além disso, a presença de Morenelaphus também pode sugerir um ambiente com grande frequência de gramíneas e menor área de elementos arbóreos, visto que ele tinha hábitos de pastagem. Consequentemente, o grande território conhecido na Paleontologia como Região Intertropical Brasileira sofreu mudanças ambientais e climáticas drásticas, comparando suas condições passadas e presentes, o que pode ter sido um dos motores da extinção desses veados nesta região, há cerca de 10 mil anos.

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais