CIDADES

Chegada de poucas doses ameaça meta de Ceará vacinar todos os adultos até agosto

Edição Impressa
Tipo Notícia Por
 Lote de vacinas Pfizer chegou ontem a Fortaleza (Foto: Thiara Montefusco/Governo do Ceará
)
Foto: Thiara Montefusco/Governo do Ceará  Lote de vacinas Pfizer chegou ontem a Fortaleza

Interrupção no ritmo e na quantidade de remessas de vacinas enviadas ao Ceará coloca em risco meta de imunizar todos os adultos até o fim de agosto. A situação é apontada por Rilson Andrade, secretário da saúde de Pindoretama e vice-presidente do Conselho das Secretárias Municipais de Saúde do Ceará (Cosems-CE).

LEIA TAMBÉM | Vacinação com 1ª dose é interrompida em Fortaleza e fica mais lenta no Interior

"Se continuar recebendo na mesma quantidade, acho complicado alcançar a meta. Só se tiver uma avalanche de doses na segunda quinzena de julho e em agosto. Chegando doses, a gente consegue em um mês e meio. Ceará sempre foi exemplo em campanhas de imunização e consegue", analisa.

Ele explica que cada município elege a melhor estratégia de imunização para sua realidade. "Muitos fazem mutirão porque é mais prático. Nos outros dias, faz aplicação D2 e aplica a vacina contra H1N1", diz.

O secretário explica que estão chegando muitas unidades de vacinas destinadas à segunda dose. "A turma que recebeu a primeira dose em abril e que o prazo para a D2 vence agora", completa. Rilson frisa a lentidão no processo ocorre porque o Ceará recebe um quantitativo limitado de doses. "Não é a distribuição pelo Estado ou a aplicação dos municípios", ressalta.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais