Economia

Apenas três empresas cearenses com ações em alta

Em 2021
Edição Impressa
Tipo Notícia

Ao fazer o IPO, a Brisanet segue o caminho trilhado por outras empresas cearenses, como Hapvida, Arco Educação, Aeris Energy e Pague Menos, que, de 2018 para cá, também foram buscar no mercado de ações os recursos para fazer seus investimentos. Em todas estas, na prática, o que se viu depois foi forte expansão do negócio. Inicialmente, os investidores que apostaram nestes papéis também experimentaram valorização expressiva das ações. Mas, esta é uma condição que nem sempre se mantém.

Leia Mais| Cearenses estão entre os que mais ampliam volume de recursos em bolsa em 2021

Em 2021, no acumulado do ano até ontem, das companhias citadas, apenas as ações da Pague Menos estão com retorno positivo (36,36%) ao investidor. Acima da média da própria B3 (6,11%).

O levantamento, feito com base no histórico de cotação onde estão listadas, mostra ainda que, além dela, apenas os papéis da Grendene - que transferiu sua matriz para o Ceará na década de 90, e as da antiga Coelce (Enel Ceará) estão oferecendo uma rentabilidade positiva neste ano. As altas são, respectivamente, de 36,23% e de 1,67%.

Mas o economista Gilberto Barbosa explica que essa oscilação também depende do atual momento do setor em que as companhias estão inseridas. Ele diz que Pague Menos e Grendene pertencem a setores mais cíclicos, que se beneficiaram da reabertura da economia, e performaram bem no primeiro semestre.

Já Aeris e Arco, por exemplo, individualmente, têm bons desempenhos financeiros e perspectivas futuras, mas suas ações sentem reflexo do movimento que afeta as demais empresas do setor. "Não significa que foi um negócio ruim. As ações de empresas de tecnologia como o Mercado Livre também estão sentindo essa queda".

Gilberto reforça que o investidor não pode olhar apenas para o curto prazo. "Quando se fala de bolsa, pensar em seis meses é um prazo curto. É preciso olhar o horizonte de longo prazo, analisar as tendências futuras".

Também pondera que, no mercado de ações, o ideal é não apostar todas as suas fichas em IPOs específicos. "A melhor coisa é ter uma carteira diversificada de ações. E, se não tiver expertise, comprar cotas de fundos de investimento porque são vários fatores mais técnicos que devem ser observados".

Já para as empresas que querem abrir capital, Thomaz Bianchi, recomenda que faça antes uma forte reestruturação de governança. "Isso traz transparência para o mercado, ajuda o investidor a entender melhor como funciona o negócio"

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais