Economia

Ceará vence disputa e Transnordestina irá primeiro até o Pecém

Ministro da Infraestrutura anunciou decisão de concluir obra do ramal cearense da Transnordestina primeiro. Isso causou reações de Pernambuco para tentar reverter. Mas, no Ceará, a diretoria do Complexo do Pecém (Cipp) já trata a decisão como bem próxima de um desfecho
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Obras no ramal cearense da Transnordestina devem ser concluídas primeiro, anunciou ainda no mês de julho o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação Obras no ramal cearense da Transnordestina devem ser concluídas primeiro, anunciou ainda no mês de julho o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

A conclusão do ramal da Transnordestina no Ceará, que tem como ponto final o Porto do Pecém, terá obras concluídas primeiro do que o ramal pernambucano que vai até o porto de Suape. Com isso, e de posse de informações internas, a diretora executiva de Relações Institucionais do Complexo do Pecém, Rebeca Oliveira, disse ao O POVO que o Estado foi escolhido para iniciar as operações.

ENTENDA NA REDE NORDESTE | Após anúncio de que Pernambuco não terá Transnordestina, ministro afirma que governo pretende fazer nova licitação

No fim de julho já veio uma declaração do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, de que o ramal cearense seria concluído primeiro. A decisão gerou mal estar político.

VEJA AINDA | OP+ "Não tem mais obras paralisadas no Ceará", diz ministro em solenidade no Ceará

O anúncio do ministro fez com que iniciasse um movimento político da bancada de parlamentares pernambucanos, que foram entregar ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) um documento citando as vantagens técnicas e econômicas do ramal que deveria chegar até Suape.

De acordo com apuração do JC Online, a intenção era pressionar o Governo Federal a rever a posição e priorizar a conclusão do ramal pernambucano.

O próprio governador de Pernambuco deve se reunir com o ministro, na segunda-feira, 16, para tentar reverter a decisão. Mas, no Ceará, a diretoria do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp) já trata a decisão como bem próxima de um desfecho.

"O Ceará foi escolhido para que a Transnordestina chegue primeiro. Isso é um motivo de orgulho porque eles viram na gente o potencial técnico, de infraestrutura, para chegar na frente, e o Ceará tem um hub logístico", afirmou ao O POVO, a diretora executiva, Rebeca Oliveira.

Em nota enviada ao O POVO, a Secretaria de Infraestrutura do Ceará (Seinfra), que participa das desapropriações da faixa de domínio para implantação da ferrovia Transnordestina no Estado, é otimista ao destacar a prioridade que recebe o Ceará no Ministério da Infraestrutura.

"Atualmente, não existe nenhum problema de ordem ambiental para o andamento da obra em território cearense. A priorização, pelo Ministério da Infraestrutura, do Ramal Salgueiro, em Pernambuco, ao Porto do Pecém, será de grande importância para o Ceará e vai ao encontro dos investimentos já realizados no Complexo Industrial e Portuário do Pecém, com o objetivo de otimizar e qualificar a logística de transporte no Estado e na Região", afirma.

Vale esclarecer que a Transnordestina é uma ferrovia de 1.742 km, que parte de Eliseu Martins-PI, e segue até a cidade de Salgueiro-PE. Lá, a ferrovia se divide em dois ramais: um com destino ao Porto do Pecém, no Ceará, e outro com destino ao porto de Suape, em Pernambuco.

Um dos principais argumentos da bancada pernambucana é de que o ramal de Suape está com 41% de execução, enquanto o ramal do Pecém com apenas 15%.

LEIA TAMBÉM | Transnordestina tem prejuízo de R$ 149,8 milhões em dois anos

As obras da ferrovia foram iniciados em 2006, com orçamento de R$ 4,5 bilhões. Mas, em 2019, após várias paralisações, o projeto foi recalculado e passaria a custar R$ 12,6 bilhões. Já foram gastos mais de R$ 6 bilhões no empreendimento. (Com informações do JC Online/ Via Rede Nordeste)

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais