Logo O POVO Mais
Economia

Stolthaven assina memorando com Pecém para construção de parque de tancagem

| No Ceará | Documento foi assinado em São Paulo, quando o presidente do Complexo do Pecém, Danilo Serpa, visitou a base da empresa parceira no Porto de Santos
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
MOVIMENTAÇÃO de graneis líquidos no Ceará, hoje, é feita apenas pelo Porto do Mucuripe, em Fortaleza (Foto: FABIO LIMA)
Foto: FABIO LIMA MOVIMENTAÇÃO de graneis líquidos no Ceará, hoje, é feita apenas pelo Porto do Mucuripe, em Fortaleza

O Complexo do Pecém e a Stolthaven Santos assinaram na tarde desta segunda-feira, 14, um memorando de entendimento para uma das infraestruturas há tempos buscada para o Porto do Pecém: um parque de tancagem. Detalhes da capacidade e do investimento não foram revelados, mas, segundo comunicado do Complexo, tem a ver com o hub de hidrogênio verde.

Na prática, um parque de tancagem é um terminal de manuseio dos combustíveis líquidos que chegam por navios e saem do porto em caminhões para o abastecimento de postos e também para os aeroportos do Estado. Hoje, apenas o Porto do Mucuripe, administrado pela Companhia Docas do Ceará, possui uma estrutura do tipo no Ceará.

Ao destacar que o grupo Stolt-Nielsen, controlador da Stolthaven Santos, é líder global de soluções integradas de transporte e armazenagem de produtos líquidos a granel, o Complexo do Pecém informou, em nota, que "o anúncio vem após visita do CEO, Danilo Serpa, e do Diretor de Engenharia do Complexo do Pecém, Fábio Abreu, às operações do terminal da Stolthaven no Porto de Santos, nesta segunda-feira (14)."

Mais memorandos de entendimento são previstos para esta semana com o Pecém como alvo, evolvendo o hidrogênio verde. O Estado já conta com 16 assinaturas e, nesta semana, de acordo com o secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Maia Júnior, aumentará para 20.

Histórico

A construção de um parque de tancagem no Pecém foi alvo de edital pelo governo cearense há quase cinco anos, quando a holandesa Vopak foi declarada vencedora. Mas em março do ano passado, a empresa quebrou o contrato alegando "inviabilidade econômica, causada pelo cenário de pandemia."

Na época, o Complexo do Pecém afirmou estar negociando com outras quatro empresas, mas nenhum desdobramento foi observado até a assinatura do contrato com a Stolthaven Santos, nesta segunda.

O parque de armazenamento planejado para o Pecém deve operar com navios maiores do que os do Mucuripe, com capacidade de armazenar até 90 mil toneladas de litros de combustível. O triplo do atual, o que promete melhores preços ao consumidor final.

O parque do Mucuripe tem capacidade de armazenar cerca de 110 metros cúbicos de combustível, porém, faz entre 70 metros cúbicos e 80 metros cúbicos em função dos riscos de acidentes, além de não haver mais espaço para expansão.

Essa notícia foi relevante pra você?
Recomendada para você

"