Farol

Rapper cearense VMZ quer levar a "vibe de Fortal" para todo o Brasil

Fã de Matuê, o dono do hit "Plutão" foi eleito "artista radar" pelo Spotify no mês de setembro, após acumular milhões de visualizações. As produções musicais dele abordam o mundo geek e o mundo real transformados em letras de rap
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Nascido em Fortaleza, VMZ mora em Maracanaú e não pretende deixar de morar no Ceará (Foto: Akabolt / Divulgação)
Foto: Akabolt / Divulgação Nascido em Fortaleza, VMZ mora em Maracanaú e não pretende deixar de morar no Ceará

Lá no pequeno bairro de Mucunã, em Maracanaú, surgiu um plutãozinho que deseja orbitar a mente das pessoas através da música. Dentre seus sonhos, estão levar a vibe da juventude cearense para os mais diversos cantos do Brasil, conhecer quem ele considera o maior rapper do País e lançar trabalhos tendo a música como sua assinatura. Tudo isso fazendo um convite: "Vamos zoar?"

Aos 20 anos e acumuando milhões de visualizações na conta, Sandro Júnior é conhecido artisticamente como VMZ e foi escolhido pelo Spotify como o “artista radar” de setembro. Ao longo do mês, o cearense terá o rosto estampado na capa da playlist editorial de destaque da plataforma de streaming. 

Nascido em Fortaleza, VMZ mora em Maracanaú e não quer deixar de morar no Ceará(Foto: Akabolt / Divulgação)
Foto: Akabolt / Divulgação Nascido em Fortaleza, VMZ mora em Maracanaú e não quer deixar de morar no Ceará

O POVO - Como tudo começou e por que VMZ?

VZM - Eu produzo conteúdo para o YouTube há muitos anos. Não comecei com música, mas com vlog, vídeos bem aleatórios e engraçados. E o nome do meu canal era “Vamu zuar”, entendeu? E aí quando eu resolvi fazer música, continuei com a mesma conta, só que abreviei o nome para VMZ e comecei a fazer música por lá, para passar uma ideia de marca, de algo mais profissional.

O POVO - Você ganhou fama nas redes sociais com a música "Plutão". Como foi seu processo de criação?

VZM - Eu já estava na vibe de fazer músicas com nomes de planetas, mas sempre me perguntava o que ia fazer com Plutão. Eu estava em um momento da vida de um ciclo que se fechava, e alguns sonhos se realizando. Queria retratar isso em música. Eu tinha passado 2020 inteiro economizando dinheiro para reformar minha casa, e eu consegui. Então eu estava literalmente nessa vibe de realização de um sonho, mas também do processo, acompanhado de alguém que você ama. É como se eu estivesse descrevendo uma fase inteira, e nessa fase eu incluo a minha namorada porque a gente fez todos os planos juntos, passamos pelo processo juntos, e no dia que eu fiz a música foi em um aniversário de namoro para dar de presente.

 

 

O POVO - "Plutão" tem hoje mais de 68 milhões de visualizações só no YouTube. Você esperava isso?

VZM - Ninguém acorda pensando nisso. Mas eu comecei a perceber que ia virar uma doideira quando o Mário (tiktoker @lzmaario) fez um vídeo com ela. Daí, geral começou a fazer e virou uma trend [tendências do momento]. Quando a parada começou a enlouquecer mesmo, do nada, 'tava' todo mundo fazendo. Eu vi a Dani Russo, a Mel Maia, a Larissa Manoela, o Tirulipa, o Whindersson Nunes fazerem. Cara, foi uma loucura. Eu não conseguia acreditar.

O POVO - A que se deve o seu sucesso, que chamou atenção do Spotify?

VZM - Eu sou um cara que faz música no quarto. Produzo tudo de um jeitinho muito pessoal, tentando passar toda minha personalidade. Então, acho que chegou nessa proporção porque a galera se identificou, sentiu a positividade de quem tem essa parada em casa, saca? Tipo assim, eu tinha meu canal principal onde eu produzia rap geek, daí criei o segundo canal para cantar sobre assuntos que eu queria, sobre a minha vida, para me apresentar para o público. Fui fazendo, e a parada foi conquistando outro público. Acho que boa parte da galera se identificou porque é tudo muito natural, tudo muito simples.

 

" Acho que boa parte da galera se identificou porque é tudo muito natural, tudo muito simples"

 

O POVO - Com qual artista você sonha em dividir um trabalho?

VZM - Cara, com o maior rapper do Brasil, que é daqui: o Matuê. Tenho o sonho de pelo menos encontrar com ele por aqui, de trocar uma ideia, tomar um café. Para mim, já seria uma grande honra só encontrar com ele. Eu iria agradecer pela representatividade que ele traz, porque isso inspira muito. Eu comecei a cantar nas minhas músicas de onde eu venho, de onde eu sou, sobre a galera daqui, sobre a "vibe de Fortal", de Maracanaú, inspirado nele. Ele levou o nosso nome para fora do País, para as regiões Sul e Sudeste, mostrando com muito orgulho de onde ele é. E a gente deve ter orgulho mesmo.

O POVO - O que o público cearense pode esperar do VMZ daqui para frente?

VZM - Tenho muita coisa de trabalho em São Paulo, no Rio de Janeiro, então estou sempre na correria lá e cá. Mas não pretendo deixar de morar aqui. E eu tenho muitos projetos diferentes para trazer para a galera, com clipes, livros que eu gostaria de publicar, mas tudo atribuído à música como uma assinatura final.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais