Vida & Arte

Produção audiovisual sobre o sertão cearense estreia nesta sexta, 9

Flávio Paiva lança o vídeo e audiolivro "SERTANIA" nesta sexta-feira, 9 de abril, por meio de uma live no seu canal do Youtube
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Flávio Paiva lança
Foto: Marcos Vieira Flávio Paiva lança "Sertania", produção audiovisual em homenagem ao centenário de Toinzinho Rodrigues

"Sertania" significa sertão como substantivo feminino, natural e sublime. O nome estampa a produção audiovisual de Flávio Paiva, que tem como símbolo o fruto do Pereiro, uma árvore de flores brancas e típica da caatinga. O fruto, ao mesmo tempo que é seco e lenhoso, também é sensível ao se abrir e lançar as sementes ao vento.

Com essa analogia, Flávio lança o vídeo e audiolivro, uma produção do Núcleo Audiovisual Jaguaribe (NAJA), fazendo uma ressignificação poética, musical e visual da Missa Sanfonada de 2004. A live de lançamento acontece nesta sexta-feira, 9 de abril, a partir das 19 horas, no Youtube.

Leia também | "Invento de Borboletas": escritora cearense Marília Lovatel publica coletânea de textos

Ao utilizar "SERTANIA", o autor fez uma recriação conceitual da palavra, que significa lugar distante, como aparece na letra de "Bento Apenas Bento", música composta por ele em parceria com Ariosvaldo Souza para a Missa Sanfonada. "A recriação conceitual que fiz foi a de agregar a essa palavra 'SERTANIA' o sentido de movimentação do olhar, dos sentimentos, das emoções, enfim dos sentidos", diz Flávio.

O projeto foi filmado na Fazenda Manchete e na Pedra Lisa, em Independência, nos dias 5 e 6 de dezembro do ano passado e conta com imagens de Marcos Vieira, capa e tipologia de Nathália Cardoso, edição de vídeo e animações de Mário Fábio, roteiro e direção de Marcos Vieira e Flávio Paiva.

Leia também | Crítico literário Alfredo Bosi morre aos 84 anos

Outros participantes do projeto foram Efigênia Alves, de Jaguaribe, responsável pela leitura dos poemas e das canções presentes no vídeo e no audiolivro, gravadas a partir de um celular; Samuel Furtado, que gravou a releitura musical em rabeca nos estúdios da Casa de Teatro Dona Zefinha, em Itapipoca; e Mário Fábio, que fez a edição de vídeo em um estúdio caseiro na praia de Jericoacoara.

"É muito importante, diante de tudo o que está acontecendo, pensarmos em coisas que inspiram grandeza. Nós estamos muito oprimidos com a pressão externa da vida, a pandemia e a morte, e com o descontrole disso tudo. Parar para refletir, tendo como elementos a paisagem, os sons e a poesia do sertão, é uma forma de abrir canais de percepção sobre a vida e o viver", afirma o autor sobre "Sertania".

Leia também | Projeto oferece mais de 286 oportunidades de formação para artistas cearenses

O projeto também é uma homenagem ao pai de Flávio, Toinzinho Rodrigues, criador de ovinos e caprinos na região dos Inhamuns, falecido em 2015 e que estaria completando seu centenário esse ano. "Ele tinha uma filosofia de que a vida tinha muito mais brilho quando você vivia com o necessário, quando você não gastava sua energia em busca do que muitas vezes não lhe interessa, só porque é uma determinação social", diz o autor sobre seu pai.

Em 2004, ele havia escrito e composto a Missa Sanfonada (2004), interpretada originalmente por Aparecida Silvio, com direção musical de Adelson Viana e Tarcísio Sardinha, em comemoração aos 50 anos de casados dos pais, Toinzinho e Socorro. Cinco canções da obra original foram compostas por Flávio em parceria com Adauto Oliveira (Vai minha canção), Aparecida Silvino (Glória da fantasia verde), Ariosvaldo Souza (Bento apenas Bento e Louvação da comunidade) e Tarcísio Sardinha (Ciranda da paz).

Leia também | 80 anos de teatro: O primeiro pecado de Nelson Rodrigues

Sertania

Quando: sexta-feira, 9 de abril, às 19 horas

Onde: no canal do Flávio Paiva no YouTube

Podcast Vida&Arte

O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais