Reportagem Especial

GDE: como nasce uma facção criminosa

A temporada dois do documentário Guerra Sem Fim, que estreou no O POVO+ no último dia 5 de julho, terá seu segundo episódio lançado nesta segunda-feira, 12/6. "GDE: como nasce uma facção" traça a gênesis do grupo armado criminoso que nasceu no Ceará em 2016

GDE: como nasce uma facção criminosa

A temporada dois do documentário Guerra Sem Fim, que estreou no O POVO+ no último dia 5 de julho, terá seu segundo episódio lançado nesta segunda-feira, 12/6. "GDE: como nasce uma facção" traça a gênesis do grupo armado criminoso que nasceu no Ceará em 2016
Tipo Notícia Por

Há cinco anos, por causa das condições favoráveis para o crime no Ceará, um grupo armado fundava na periferia e nos presídios de Fortaleza a facção Guardiões do Estado (GDE). Uma organização criminosa, com o DNA cearense, que aumentou o terror no cotidiano da capital e interior do Estado e encruzilhadas para a governança pública e setor privado.

Leia reportagem | De onde surgiu e como funciona a primeira facção criminosa cearense

A Grande Fortaleza tem o título de terceira região metropolitana mais rica do Norte-Nordeste e, ao mesmo tempo, experimenta a contradição de viver uma guerra cotidiana entre facções. Fenômeno que nos coloca ante a falta de segurança social e a necessidade de paz pública, principalmente onde a população se aglomera em territórios e assentamentos precários disputados por traficantes de drogas.
De acordo com a última pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE/2018), a Grande Fortaleza concentra um produto interno bruto de R$ 100,7 bilhões. Fica atrás somente das regiões metropolitanas de Salvador e Recife, porém destina uma fatia de seus recursos públicos para “combater” as facções.

O surgimento da GDE, os percursos do agrupamento criminoso e as consequências de sua existência na Região Metropolitana de Fortaleza costuram a narrativa do episódio dois da segunda temporada da série “Guerra sem fim”, dirigida por Demitri Túlio e Cinthia Medeiros. Os primeiros capítulos do documentário estão disponíveis na plataforma no O POVO Mais (OP+).

“A GDE surge no contexto de expansão das duas maiores facções do País: Comando Vermelho (Rio de Janeiro) e Primeiro Comando da Capital (São Paulo). Eles ampliam o batismo de novos membros para garantir novos mercados (em outros estados) e ter uma rede de proteção maior para as atividades criminosas”, afirma o jornalista Lucas Barbosa no documentário. O repórter cobre, investiga e pesquisa a segurança pública no Ceará.

A segunda temporada da série, que estreou no dia 5 de junho de 2021, lança nesta segunda-feira, 12/6, mais um o episódio. “GDE: como nasce uma facção” narra como a falta de políticas públicas, em volume de qualidade e sem continuidade na periferia de Fortaleza, cruza com o surgimento de um dos grupos armados mais danosos para o dia a dia no Estado.

abrir

“Os fundadores da GDE estariam insatisfeitos com as altas taxas que precisavam pagar a outras organizações criminosas que existiam no Ceará. Sendo assim, ‘os sete torres’ fundaram a GDE sobre a alegação de serem os legítimos defensores dos criminosos cearenses”, aponta um dos documentos da Secretaria da Segurança Pública do Ceará, usado na série inédita do OP+.

O documentário, que estreou a primeira temporada em 2020, lança mão do jornalismo investigativo para construir uma narrativa audiovisual sobre situações inimagináveis envolvendo vítimas do terror das facções. Também verticaliza a análise do problema com cientistas sociais das universidades Federal e Estadual do Ceará e com personagens da rua e agentes do poder público.

 

Guerra sem Fim. Primeira temporada

Episódio 1: A onda de violência


Com fortes imagens das ações do terror criminoso de janeiro de 2019, o episódio detalha os bastidores que levaram à eclosão criminosa, as estratégias das facções (PCC, CV e GDE) e a reação do Estado para conter a onda de violência. O objetivo dos criminosos era declarado: colocar o Estado do Ceará em calamidade pública.

 
Episódio 2: Tribunais do Crime


O funcionamento interno das facções criminosas no Ceará: como punem seus próprios integrantes?

 
Episódio 3: Caminhos do Crime


A entrada em organizações como as facções é um dos caminhos trilhados pelo crime. O que influencia esse cenário? Como é possível fugir do crime?


A GDE, nascida em 1º de janeiro de 2016, por causa dos negócios do tráfico de drogas e de uma provável dissidência no Ceará de bandidos que integravam o PCC, passou a disputar também os pontos de venda de entorpecentes e o poder nos territórios com bandidos do CV e, também, com o próprio PCC.

“A chegada desses grupos reterritolializaram a periferia. Eu sou GDE na periferia de Fortaleza, eu sou GDE na zona metropolitana, eu sou GDE no interior do Estado e, se eu for para Pernambuco, eu sou GDE”, observa o sociólogo Luiz Fábio Paiva, do Laboratório de Estudos da Violência da Universidade Federal do Ceará (LEV/UFC) e um dos entrevistados do documentário.

Além do episódio “GDE: como nasce uma facção”, a segunda temporada do “Guerra sem fim” traz também “Refugiados urbanos” – já disponível no O POVO Mais desde 5/7 – e “Juventude sobrevivente” que estreará no dia 19/7.

 

Episódio 1: 2ª temporada - Refugiados Urbanos


Aborda o tragédia de famílias expulsas de suas casas por facções criminosas e como o poder público é lento para garantir a moradia segura para as vítimas.


“Um dos desafios da série é fazer com que esse problema de falta de segurança social não entre na lista dos horrores com os quais vamos nos acostumando na cidade. E lembrar que o enfrentamento das facções não se faz apenas com a pasta da Segurança Pública. Ou há uma invasão volumosa de políticas públicas de Estado permanentes nos territórios do medo ou o poder paralelo das facções continuará cada vez mais forte”, observa o jornalista Demitri Túlio, diretor da série “Guerra sem fim”.

 

>> Juventudes Sobreviventes é o episódio 3 da segunda temporada, que será lançado na segunda-feira, 19 de junho de 2021. Traz narrativas de jovens que conseguem sobreviver nos territórios dominados pelas facções criminosas por meio da arte, da cultura e da educação. 

FICHA TÉCNICA

  • Direção Demitri Túlio e Cinthia Medeiros
  • Coordenação de produção Cinthia Medeiros
  • Roteiro Demitri Túlio, PH Diaz, Arthur Gadelha
  • Direção de fotografia FCO Fontenele e Júlio Caesar
  • Assistência de direção e edição Arthur Gadelha
  • Assistência de making off Fernanda Barros
  • Edição P.H. Diaz
  • Abertura Raphael Góes
  • Pesquisa Data.doc O POVO (Roberto Araújo e Miguel Pontes)
  • Identidade visual Cristiane Frota
  • Design de cenário Carlus Campos
  • Editores-coordenadores (Núcleo de Imagem) Chico Marinho e Cinthia Medeiros
  • Editor de Fotografia JL Rosa
  • Produtores Ana Régia e Arthur Gadelha
  • Edição OP+ Fátima Sudário e Regina Ribeiro
  • Direção Geral de Jornalismo Ana Naddaf e Erick Guimarães
Essa notícia foi relevante pra você?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Conteúdo exclusivo

Saiba mais

Estamos disponibilizando gratuitamente um conteúdo de acesso exclusivo de assinantes. Para mais colunas, vídeos e reportagens especias como essas acesse sua conta ou assine O POVO +.

Logo O POVO Mais