Logo O POVO Mais
Reportagem Especial

60 horas de voos e 85 mil Km: saga de viagens de Ceará e Fortaleza na Série A

Com maior parte dos clubes que compõem a competição concentrados nas regiões Sul e Sudeste do país, Vovô e Leão serão as equipes com maiores tempo e distância em viagens do Brasileirão 2022

60 horas de voos e 85 mil Km: saga de viagens de Ceará e Fortaleza na Série A

Com maior parte dos clubes que compõem a competição concentrados nas regiões Sul e Sudeste do país, Vovô e Leão serão as equipes com maiores tempo e distância em viagens do Brasileirão 2022
Por

 

 

Únicos representantes nordestinos da elite do Brasileirão de 2022, Ceará e Fortaleza serão as equipes que irão percorrer as maiores distâncias em viagens ao longo da competição. A estimativa, considerando um cenário de voos diretos de ida e volta, sem conexões ou escalas, é de exatos 85.660,46 km para cada um dos clubes. Com essa quilometragem seria possível, por exemplo, ir e retornar do Japão duas vezes.

Geograficamente e historicamente, a região Nordeste tem desvantagem em relação aos deslocamentos de viagem, tendo em vista que a maior parte dos times que disputam o torneio estão concentrados no Sul e Sudeste do país.

Na era dos pontos corridos, o recorde de participantes nordestinos em uma mesma edição da Série A foi de quatro clubes, número que se manteve entre 2018 e 2021. Neste mesmo recorte de período, sulistas e sudestinos tiveram, juntos, uma média de 15 clubes representantes — ou seja, 75% da composição do certame.

Presença em aeroportos e aviões virou rotina para jogadores do Vovô(Foto: Felipe Santos/CearaSC.com)
Foto: Felipe Santos/CearaSC.com Presença em aeroportos e aviões virou rotina para jogadores do Vovô

O cenário de distribuição dos clubes deste ano é bem similar — dez do Sudeste, cinco do Sul e três do Centro-Oeste —, mas com o agravante de que Ceará e Fortaleza não terão nenhum jogo próximo à capital cearense como aconteceu nos últimos anos.

Diante do panorama, a menor distância que a dupla irá percorrer é de 1.691,26 km, cerca de 2h29min de voo, quando forem enfrentar o Goiás e o Atlético-GO em Goiânia (GO), seguido de Belo Horizonte (MG), cujo trajeto é de aproximadamente 1.855,82 km (2h40min), cidade em que Vovô e Leão terão Atlético-MG e América-MG como adversários.

Atletas do Tricolor também já estão habituados à rotina de viagens(Foto: Bruno Oliveira/Fortaleza EC)
Foto: Bruno Oliveira/Fortaleza EC Atletas do Tricolor também já estão habituados à rotina de viagens

O maior percurso do Alvinegro e do Tricolor será de 3.216,10 km (4h23min) para o Rio Grande do Sul (RS), onde farão jogos contra o Internacional e o Juventude. O Fortaleza, inclusive, fez essa viagem no último domingo, 17, quando foi derrotado pelo Colorado por 2 a 1, no Estádio Beira Rio, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Santa Catarina (SC), representado pelo Avaí, figura como o segundo estado com a rota mais longa, em torno de 2.855,98 km (3h51min).

Entre os estados, o que mais possui clubes na elite é São Paulo, com cinco: Palmeiras, Corinthians, Santos, RB Bragantino e São Paulo. Como a rota do voo entre o Aeroporto Pinto Martins (CE) e o Aeroporto de Congonhas (SP) é de aproximadamente 2.369,20 km (3h 17min), Ceará e Fortaleza irão totalizar 24.030 km somente em idas e vindas para a capital paulista. O Alvinegro já realizou este trajeto uma vez, na estreia da equipe no certame nacional diante do Verdão, no Allianz Parque, confronto que foi vencido pelos comandados de Dorival Júnior por 3 a 2.

Ceará viajou para São Paulo para enfrentar o Palmeiras na primeira rodada(Foto: Cesar Greco/Palmeiras)
Foto: Cesar Greco/Palmeiras Ceará viajou para São Paulo para enfrentar o Palmeiras na primeira rodada

Para que seja possível visualizar o quão alta será a quilometragem total percorrida por Ceará e Fortaleza ao fim do campeonato, podemos utilizar o futebol carioca como exemplo. Botafogo, Flamengo e Fluminense terão, considerando também um cenário de voos diretos de ida e volta sem conexões ou escalas, um total de 28.735,78 km (número individual para cada clube), pouco mais de um terço do valor do Vovô e Leão, de 85.660,46 km cada.

Ao todo, as delegações do Vovô e Leão ficarão cerca de 59 horas e 38 minutos dentro de aviões durante os deslocamentos entre as cidades ao longo da Série A. Vale ressaltar que, além do Brasileirão, os clubes também disputam competições internacionais, como a Copa Sul-Americana e Libertadores, com pelo menos três jogos fora do país garantidos, para os quais se deslocam em voos fretados.

Leão do Pici visitou o Inter numa das viagens mais longas da competição(Foto: Ricardo Duarte/Internacional)
Foto: Ricardo Duarte/Internacional Leão do Pici visitou o Inter numa das viagens mais longas da competição

No cenário nacional, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) custeia voos comerciais para os clubes, mas nem sempre as opções possuem rotas ideais ou condições confortáveis para a recuperação física dos atletas. Caso Ceará e Fortaleza optassem por deslocamentos em aeronaves fretadas durante a Série A, o alto valor certamente seria um dos principais empecilhos ao longo prazo.

Além do aluguel do avião, há custos com a tripulação, serviços de handling, que são os serviços prestados em terra para apoio às aeronaves, combustível, entre outros detalhes, como pernoite no aeroporto — caso necessário —, a rota e o modelo do avião.

 

 


Essa notícia foi relevante pra você?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Conteúdo exclusivo

Saiba mais

Estamos disponibilizando gratuitamente um conteúdo de acesso exclusivo de assinantes. Para mais colunas, vídeos e reportagens especias como essas acesse sua conta ou assine O POVO +.