Foto de Carlos Mazza
clique para exibir bio do colunista

Colunista de política, o jornalista Carlos Mazza coordena o O POVO Dados, núcleo que trabalha com reportagens a partir de bancos de dados. Já foi repórter de Política e repórter especial do O POVO.

Carlos Mazza política

RC volta tentando liderar base para 2022

A expectativa na base aliada é que Roberto Cláudio tome a frente das articulações visando à formação da chapa do grupo dos Ferreira Gomes para 2022
Tipo Opinião
Ex-prefeito Roberto Cláudio retorna após período sabático em São Paulo  (Foto: Reprodução Instagram )
Foto: Reprodução Instagram Ex-prefeito Roberto Cláudio retorna após período sabático em São Paulo

O ex-prefeito Roberto Cláudio (PDT) voltará nos próximos dias a Fortaleza. O retorno, que ocorre após período sabático do pedetista em São Paulo, anima bastidores da política cearense de olho em 2022. Hoje o nome mais próximo de um candidato "natural" à sucessão de Camilo Santana (PT) dentro da base aliada, RC deve tomar a frente em articulações voltadas para a formação da chapa do grupo dos Ferreira Gomes para o ano que vem. Pela oposição, nome de Capitão Wagner (Pros) é mais que certo na disputa.

A equação da base aliada de Camilo ainda segue com muitas indefinições e pontas soltas. Uma delas é o espaço que o grupo de Domingos Filho, líder maior do PSD no Ceará, terá na chapa governista para 2022. Nas últimas eleições municipais, o partido saiu das urnas como a segunda principal força política do Estado, atrás apenas do PDT, elegendo quase 30 prefeitos. Entre as três eleições suplementares ocorridas em 1º de agosto deste ano, duas deram em vitória de candidatos apoiados pelo PSD.

Com Camilo quase confirmado como candidato ao Senado - segundo ele próprio, em diversas entrevistas recentes -, a vaga que sobraria dentro da chapa governista seria a de vice-governador. Posição que dificilmente atenderia as expectativas do grupo do PSD. Ex-vice-governador durante o segundo governo Cid Gomes (PDT), Domingos não esconde interesse em emplacar posições maiores na arena política cearense. Enfim, o que não falta é interesse por ser contemplado. RC volta para esse debate.

Ouça podcast

 

Dança das cadeiras

O vereador Guilherme Sampaio (PT) assumirá nesta quinta-feira, 12, vaga de deputado estadual na Assembleia Legislativa. O petista ocupará vaga aberta por licença de Moisés Braz (PT), que ficará afastado da Casa por 120 dias. A mudança gera situação curiosa na bancada petista no Legislativo. Aliado de Camilo Santana, Sampaio faz oposição ao PDT em Fortaleza, chegando a liderar o bloco oposicionista durante o governo Roberto Cláudio.

A postura a ser adotada pelo deputado no parlamento estadual é especialmente interessante no atual contexto, quando petistas ainda definem qual será a posição do partido em 2022. Em conversas recentes, a maioria do partido tem defendido priorizar campanha de Camilo ao Senado, mas há vozes isoladas, como a do deputado José Airton, que defendem candidatura própria do partido para o Governo do Ceará, com ou sem apoio do PDT.

Na Câmara, aliás, a expectativa é que o vereador Adail Júnior (PDT) também siga rumo semelhante em breve, assumindo vaga de algum correligionário. Nos últimos anos, o pedetista tem feito uma série de críticas abertas ao comando do PDT no Ceará, acusando a sigla de não "prestigiar" seus suplentes de deputado. Em um dos ataques, feito no plenário da Câmara, Adail chegou a elogiar o principal partido da oposição no Estado, o Pros, citando grande número de suplentes que assumiram vagas no Legislativo pela sigla.

Prefeito de Juazeiro do Norte, Glêdson Bezerra(Foto: Reprodução/Facebook)
Foto: Reprodução/Facebook Prefeito de Juazeiro do Norte, Glêdson Bezerra

Reviravolta no Cariri

Juazeiro do Norte não é, definitivamente, para amadores. Na última quinta-feira, o pleno do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) absolveu o prefeito do município, Glêdson Bezerra (Podemos), em ação por abuso de poder econômico na eleição de 2020. Ele tinha sido condenado em decisão de 1ª instância que previa até perda do mandato. Na denúncia, ele era acusado de usar helicóptero de um empresário aliado para fazer "chuva de santinhos" em atos, em voos que não constavam nas prestações de contas da campanha. A ação, no entanto, foi considerada improcedente pelo TRE-CE.

A tranquilidade do gestor, no entanto, não é absoluta. Seguem no Legislativo de Juazeiro e na Justiça diversas ações questionando o mandato de Glêdson, incluindo vários processos de cassação abertos pela Câmara de vereadores. No município, a maior parte do parlamento ainda é fiel ao ex-prefeito Arnon Bezerra (PDT). Famoso pela política "atribulada", Juazeiro também costuma ser cruel com ex-gestores, tendo encerrado a carreira de diversos políticos que passaram pela cadeira de prefeito. 

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais