Foto de Carlos Mazza
clique para exibir bio do colunista

Colunista de política, o jornalista Carlos Mazza coordena o O POVO Dados, núcleo que trabalha com reportagens a partir de bancos de dados. Já foi repórter de Política e repórter especial do O POVO.

Carlos Mazza política

RC, Capitão Wagner e o 7 de setembro

Tipo Opinião
PRESIDENTE repete discurso das últimas semanas de ataque ao STF (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)
Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República PRESIDENTE repete discurso das últimas semanas de ataque ao STF

Atos em defesa de Jair Bolsonaro marcados para 7 de setembro - e este é, inquestionavelmente, o ponto central dos protestos, ainda que possam existir outras justificativas para eles - serão amanhã verdadeira "prova de fogo" para a democracia brasileira. Em discursos recentes, o próprio presidente não tem usado meias palavras sobre o tema, falando abertamente de como os atos serão "ultimato" para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) em confronto com o Planalto. Resta saber o quanto o conflito será resolvido, como o próprio Bolsonaro diz, "dentro das quatro linhas" da Constituição Federal.

Leia também |

Camilo critica uso da data

7 de setembro no país paralisado

Sobre os eventos, já se posicionaram publicamente os dois principais candidatos ao governo do Ceará em 2022: Roberto Cláudio (PDT), pela base aliada de Camilo Santana (PT) e o PDT de Cid e Ciro Gomes, e Capitão Wagner (Pros), pelo bloco de oposição no Ceará, que une desde parlamentares que se proclamam independentes ao governo federal, incluindo o senador Eduardo Girão (Podemos) e o próprio Wagner, até bolsonaristas de primeira hora como André Fernandes (Republicanos) e Jaziel Pereira (Pros).

Sem qualquer juízo de valor, reproduzo um breve resumo da opinião de ambos os pré-candidatos abaixo, até para futura referência.

Roberto Cláudio

Em artigo publicado neste domingo no site Congresso em Foco, o ex-prefeito de Fortaleza e candidato pela base aliada fez uma série de críticas ao movimento de amanhã. No texto, o pedetista lembra do contexto da "campanha da legalidade", mobilização civil e militar organizada por Leonel Brizola em 1961 para garantir a posse de João Goulart como presidente do Brasil - na época questionada pelas Forças Armadas. No artigo, Roberto Cláudio classifica a articulação como um ato de real patriotismo, criticando na sequência o que seria um movimento atual de "pseudopatriotismo" em curso no país.

"Promover a desarmonia e a instabilidade institucional é penalizar ainda mais o Brasil, que precisa de equilíbrio, serenidade e respeito entre as instituições para que tenhamos, minimamente, as dignas condições sociais e econômicas de sobrevivência asseguradas. Usar os símbolos nacionais, como a nossa bandeira ou o hino nacional, para representar ou manipular objetivos políticos pessoais é não compreender o verdadeiro significado histórico do amor à pátria."

Capitão Wagner

Em entrevista na semana passada ao jornalista Eliomar de Lima, colunista do O POVO, o principal candidato pela oposição confirmou presença nos atos de amanhã. Ele centra sua justificativa, no entanto, não no caráter em defesa de Bolsonaro dos eventos, mas sim por abusos que estariam sendo cometidos pelo STF, ao não aceitar críticas ao seu trabalho. A argumentação faz clara referência a recentes prisões determinadas pelo Supremo contra políticos e comunicadores bolsonaristas, como o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB), preso após gravar vídeos pedindo, com um fuzil, o fechamento da Corte.

"Nós vamos estar na cidade nesse dia e vou me encontrar com os amigos. O questionamento ao STF e ao Congresso é legítimo. Quem ocupa função pública, tem que ter a consciência de que estamos sujeitos a críticas. Infelizmente, o STF tem sido duro ao reagir sobre críticas", disse Wagner.

1000 dias de Bolsonaro

Leitores do O POVO podem votar até amanhã na eleição que define, entre 50 charges publicadas pelo jornal desde 1º de janeiro de 2019, quais resumem melhor os primeiros mil dias do governo Jair Bolsonaro, marca que será alcançada em 26 de setembro. A votação foi dividida entre cinco áreas: Meio Ambiente, Economia, Política, Saúde e Educação/Cultura. Você pode participar no link: https://bit.ly/2WTCxaS

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais