Demitri Túlio
clique para exibir bio do colunista

Repórter especial e cronista do O POVO. Vencedor de mais de 40 prêmios de jornalismo, entre eles Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), Embratel, Vladimir Herzog e seis prêmios Esso. É também autor de teatro e de literatura infantil, com mais de dez publicações.

NOTÍCIA

Um cemitério de luxo no mar de Fortaleza

Fortaleza é surpreendente até na pandemia da Covid-19. Terá um cemitério em formato de pirâmides no mar e um prédio de luxo com vaga para carro no próprio apartamento
0905demitri
0905demitri

Fortaleza é mesmo um disparate ou uma ilha de oportunidades. Irão construir um cemitério, em forma de pirâmides, para os que desejam levar consigo bens inseparáveis. A ideia, ouvi uns ricos prospectando, será levar um ou dois carros da coleção de raros e até elefantes inestimáveis.

É sério. Provavelmente, quando o aquecimento global acabar com tudo, um dia e daqui a 201 anos, um arqueólogo do reinício do mundo descobrirá as primeiras múmias ricas do Semiárido. "E as mais cafonas", anotará no caderno de campo.

Não estou a frescar, como dizem os nossos invasores europeus espelhos. É a pura verdade alencarina (brega essa palavra!).

É verdade, insisto. Está no campo do fetiche na era "sexualização algorítimica digital" e tem surtado os capitalistas liberais daqui.

Sim! É do lugar do fetiche, diz uma tese que li de Oxford. É uma "ejaculatória visceral que precisa dá vazão ao desejo de satisfação em algo além do terreno".

Mesmo falecido (a), o indivíduo ou a rica tem a "pulsão libídica" de levar para o túmulo o que não consegue desapegar do corpo "como suporte do avaro". É uma viagem, concordo, mas é científico e uma marmota.

E levará da cueca que comprou em Miami, aquela que dá sorte nos negócios e às vezes no amor traidor, à múmia empalhada de um lulu da pomerânia da "patroa". Eles ainda chamam assim a "consorte" e, também, de "dona encrenca" ou "a polícia". Creiam.

 

É a Fortaleza das novidades fetichistas e fálicas do "macho véi e do hei, mah"

 

Tem um casal que já tem num nicho de porcelana, cheirando a Chanel número 5 (comum), as camisas da seleção brasileira usadas nas jornadas da família tradicional contra a corrupção na Praça Portugal.

Pai, mãe e os dois filhos crossfiteiros que adoram fazer off road nas dunas do Parque da Sabiaguaba. A filha, uma rebelde, acampou em Curitiba quando "Lulalau" estava no xadrez e roubou o coração dela.

It´s all true. O cemitério terá, de início, três pirâmides gigantes construídas em plataformas suspensas no mar do Ceará.

O campo santo, só acessado de helicóptero ou em barco fúnebre credenciado, ficará a 50 milhas da roda gigante londrina que teremos na nova Beira Mar.

Pois muito bem. Está no projeto que os templos da ostentação fortalezense serão também locus para o turismo e a geração de emprego e renda. Claro, há compadecimento com a choldra.

O empreendimento gerará não sei quantos empregos diretos para coveiros marítimos e guias turísticos que cantarão a rapsódia de luta, trabalho e resiliência da família sepultada na pirâmide. É o trade.

Fortaleza é surpreendente. Numa época já se gabou de ter o prédio de alvenaria mais alto da América Latina - o Excelsior Hotel.

 

A burguesia fortalezense tem sovaqueira, mas tem dinheiro pra comprar um frasco de Bulgari na Galeries Lafayatte, em Paris

 

Noutro tempo, o prédio do Português virou o maior símbolo de sonegação e, talvez, de lavagem de dinheiro entre o Ceará e Lisboa (bem a nossa história permanente).

E hoje, temos de agradecer porque a Terra da Luz (outra breguice) tem o primeiro prédio Dubai na história do Ceará. Nunca antes. 

Já tivemos "tapis rouge" estendido da incômoda "favela do Campo do América" para o casamento do século no Mansão Macedo.

E o mais novo bafulê, anunciado em meio à pandemia da fome, das mais de 410 mil mortes e da falta de moradia para "ficar em casa", é o edifício que terá um elevador para subir com os carros dos ricos ao céu. "Skydrive".

As justificativas para a necessidade da construção do prédio são lacrativas. Porque facilitará para as "mulheres" descarregarem as compras e os "meninos".

Será um prédio com acessibilidade. Se chegarem noiados por causa de drogas lícitas, os donos do apê amanhecerão na cozinha e dentro do carro.

E, lógico, o carrão poderá ser exibido para as visitas num dos cantinhos dos 350 m² da família. Sim, e a Prefeitura de Fortaleza não poderá cobrar IPTU por esse espaço. Será afanada.

É a Fortaleza das novidades fetichistas e fálicas do "macho véi e do hei, mah".

Os filósofos Cazuza, Tarcísio Matos e Falcão são gênios. A burguesia fortalezense tem sovaqueira, mas tem dinheiro pra comprar um frasco de Bulgari na Galeries Lafayatte, em Paris. E fodam-se os pebas.

 

LEIA MAIS CRÔNICAS DE DEMITRI TÚLIO

Doutor Pinho e o mal do buchão

Viver, viver e viver...

Rio Centro, a mentalidade que não explodiu

 

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais