Economia

Imposto para unir PIS e Cofins pode ter 2 alíquotas, diz Guedes a parlamentares

|Alternativa| Plano original do Ministro era unificar tributos do consumo no Imposto sobre Valor Agregado
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Guedes queria era trocar esse tributo por um imposto sobre transações, nos mesmos moldes da antiga CPMF, mas a proposta enfrenta resistências no Congresso Nacional. (Foto: FCO FONTENELE)
Foto: FCO FONTENELE Guedes queria era trocar esse tributo por um imposto sobre transações, nos mesmos moldes da antiga CPMF, mas a proposta enfrenta resistências no Congresso Nacional.

Sem conseguir emplacar um imposto sobre transações para reduzir os encargos na folha de pagamento dos trabalhadores, a equipe econômica pode propor uma Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) com duas alíquotas, uma de 12% para a indústria e outra menor para comércio e serviços, setores mais intensivos em mão de obra e que têm custo maior com as contribuições sobre salários. A sinalização foi feita pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, ontem, 8, durante um evento virtual promovido pela Frente Parlamentar do Setor de Serviços.

O segmento é um dos mais resistentes ao avanço da CBS, que substituiria os atuais PIS e Cofins, justamente porque uma alíquota única representaria, para o setor, risco de aumento na carga tributária.

"Não queremos de jeito nenhum aumentar imposto para serviços", afirmou Guedes. Segundo ele, a alíquota diferenciada seria mantida enquanto não for possível desonerar a folha de pagamentos.

Em seu plano original, o ministro pretendia aprovar um Imposto sobre Valor Agregado (IVA) federal, unificando os tributos sobre consumo, e, em outra frente, desonerar a folha de pagamento. Hoje, empresas pagam uma contribuição patronal à Previdência de 20% sobre o salário do empregado. A ideia de Guedes era trocar esse tributo por um imposto sobre transações, nos mesmos moldes da antiga CPMF, mas a proposta enfrenta resistências no Congresso Nacional.

A desoneração da folha compensaria o setor de serviços por eventual aumento da carga tributária em decorrência da criação da CBS. Esse risco existe porque, diferentemente da indústria, o setor de serviços não terá tantos créditos tributários obtidos na compra de insumos para abater do tributo a ser pago. O problema é que o plano de desonerar a folha foi adiado diante da falta de espaço para avançar agora no imposto sobre transações.

O governo não tem como abrir mão das receitas arrecadadas por meio da contribuição sobre os salários, dado que elas são significativas. Por isso, o jeito encontrado pela equipe econômica é estudar a alíquota dupla na CBS.

"Gostaria de fazer uma reforma tributária um pouco mais ampla, não é o momento, mas não vamos desistir. Vamos fazer o que é possível agora (na tributária), simplificação, redução de alíquotas. O presidente (Jair Bolsonaro) está decidido a continuar com a transformação que começamos", afirmou Guedes.

Nas últimas semanas, o ministro da Economia e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), acertaram um plano para "fatiar" a reforma tributária, que até então vinha sendo discutida em uma comissão mista formada por deputados e senadores. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que unificaria tributos sobre consumo cobrados nos âmbitos federal, estadual e municipal foi deixada de lado. O plano agora é aprovar a CBS e algumas mudanças no Imposto de Renda, como a ampliação da faixa de isenção para pessoas físicas, que hoje é para quem ganha até R$ 1.903,98.

Em outro evento ontem, 8, Guedes disse que a ordem dentro do governo para a reforma tributária é remover o que é muito controverso e aprovar o que é amplamente aceito. Segundo o ministro, essa diretriz explica a opção pela CBS, um tributo apenas federal, e deixar para depois o ingresso dos Estados e municípios.

O ministro defendeu ainda a realização de um novo Refis, programa de refinanciamento de dívidas tributárias de contribuintes que tem sido chamado de "passaporte tributário". "Não é razoável perseguir as empresas que quebraram com a pandemia", afirmou Guedes. O novo Refis costurado no Congresso envolverá dívidas anteriores à pandemia da covid-19 e permitirá às empresas aproveitar créditos de prejuízos de anos anteriores. As duas medidas serão incluídas no projeto em tramitação no Senado.

A intenção da equipe econômica é vincular a habilitação ao programa a uma queda superior a 15% no faturamento durante a pandemia. No evento, o ministro disse ainda que é compreensível a necessidade de taxar dividendos e reduzir tributos sobre empresas e prometeu uma redução dos subsídios - o governo tem até setembro para enviar um plano de corte nesses incentivos.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais