Esportes

Xodó do futebol cearense, PV chega aos 80 anos em meio a obras para retomada

Inaugurado em 1941 e palco de jogos e momentos marcantes em Fortaleza, estádio da Gentilândia passa por recuperação completa do gramado após servir como hospital de campanha no início da pandemia
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Fachada atual do PV, atualmente de portões fechados (Foto: Aurelio Alves)
Foto: Aurelio Alves Fachada atual do PV, atualmente de portões fechados

A data comemorativa não foi o motivo das melhorias, mas o estádio Presidente Vargas completa hoje o 80º aniversário em meio a grande reforma no principal atrativo, o gramado, e cercado de expectativa pelo retorno dos eventos — e do público — em 2022 após longo período inativo.

Inaugurada em 14 de setembro de 1941, a praça esportiva da Gentilândia — hoje, Benfica — recebeu a primeira partida uma semana depois, com um Ferroviário x Tramways-PE que terminou com vitória coral por 1 a 0, com gol de Chinês. "Tramways, de Recife, e Ferroviario, de Fortaleza, vão inaugurar hoje oTapete verde", estampou O POVO no dia 19 de setembro daquele ano, conforme pesquisa do Acervo Data.doc. A partida, de fato, ocorreu dois dias depois.

A partir de então, o estádio se tornou palco de momentos marcantes em Fortaleza — do esporte à religião, incluindo também entretenimento. Os jornalistas Ciro Câmara, Cláudio Ribeiro, Thiago Cafardo e Rafael Luis Azevedo relataram as histórias no livro "PV: Biografia de uma Paixão – Corpo, Alma e Coração do Estádio Presidente Vargas", lançado em 2011 pela Fundação Demócrito Rocha.

Do rei do futebol à rainha dos baixinhos, diversos nomes relevantes passaram pelo PV. Com a camisa do Santos-SP, Pelé atuou no estádio cearense em 1972 diante do Ceará. Na milésima partida pelo Peixe, o camisa 10 balançou as redes, mas o Vovô levou a melhor. Nos anos 1990, a cantora e apresentadora Xuxa lotou as arquibancadas e o gramado do estádio em três apresentações. A dupla Sandy e Júnior também fez show em 2002.

As partidas de futebol, por óbvio, são as principais atrações e memórias mais marcantes da praça esportiva. Em outros tempos, com maior capacidade de público e menos violência, os Clássicos-Rei eram disputados no PV, com lembranças históricas para alvinegros e tricolores — os gols de cobertura de Clodoaldo, o faro artilheiro de Sérgio Alves e o histórico 3 a 3 pela manhã, por exemplo.

Obras de restauro do gramado do estádio Presidente Vargas se iniciaram em julho de 2021
Foto: JÚLIO CAESAR
Obras de restauro do gramado do estádio Presidente Vargas se iniciaram em julho de 2021

Houve também duelos de peso de "visitantes". Em 1949, um Fla-Flu foi realizado no estádio. A seleção feminina capitaneada pela melhor do mundo Marta derrotou a Austrália sob os olhares do torcedor cearense, em 2016. Os craques do passado também tiveram vez em 2011 e 2020, em amistosos dos times de master de Brasil, Argentina e Itália.

Nos últimos anos, a arena virou palco de jogos de menor apelo de Ceará e Fortaleza e a casa dos outros clubes da Capital — Ferroviário, Floresta e Atlético-CE, principalmente —, além de receber confrontos importantes das categorias de base e do futebol feminino.

A partir de abril de 2020, no entanto, o PV se tornou hospital de campanha em meio à pandemia de Covid-19. O campo recebeu a estrutura para leitos e enfermarias para abrigar os pacientes e viu os profissionais da saúde se tornarem os protagonistas na luta pela vida. Cinco meses depois, o hospital acabou desativado e desmontado.

Em dezembro, a licitação para a reforma do gramado foi concluída e, em julho, os trabalhos tiveram início. O valor licitado para a obra é de R$ 1.946.899,79. A Soccer Grass, empresa vencedora, fará a instalação de 8.250 m² de grama "bermuda celebration", a mesma usada no Castelão, serviços de drenagem e a instalação de sistema de irrigação automatizado. A previsão é de conclusão em seis meses, ou seja, no início da temporada 2022.

As reformas não são novidade ao longo dos 80 anos de existência do Presidente Vargas. Na mais recente, entre as de maiores proporções, as arquibancadas ganharam nova roupagem, com o tradicional cimento dando lugar ao mar de cadeiras azuis. Foram mais de três anos de inatividade, entre fevereiro de 2008 e maio de 2011.

Muita história para contar

Na foto: Pelé Foto: José Maria Rosa, em 12/07/1999(Foto: José Maria Rosa/O POVO.doc)
Foto: José Maria Rosa/O POVO.doc Na foto: Pelé Foto: José Maria Rosa, em 12/07/1999
O Acervo Data.doc, do O POVO, é uma viagem no tempo na rica história do PV. A edição de 16 de agosto de 1939 relata a solenidade de lançamento da pedra fundamental do futuro "stadium" do futebol cearense. O presidente da então Federação Brasileira de Futebol, José Maria Castelo Branco, participou do evento.

Dois anos depois, o jogo de inauguração da praça esportiva também foi destaque. O duelo entre cearenses e pernambucanos "não revestiu de lances empolgantes, capazes de fazer vibrar os nervos da assistência", diz o texto, destacando que a torcida se empolgava "quando Popó fazia diabruras em campo".

Mas a estreia oficial do PV ocorreu dias antes, com entretenimento. No aniversário de 50 anos do estádio, na edição de 14 de setembro de 1991, O POVO conta que o evento foi dividido em três etapas: apresentação musical de uma obra de Villa-Lobos; demonstração de lutas entre militares do Corpo de Bombeiros; e apresentação de ginástica rítmica de grupos escolares.

Fatos marcantes do futebol cearense também foram estampados nas páginas do jornal. Em 26 de abril de 1977, pela primeira vez, foram realizadas partidas de forma simultânea no Castelão, inaugurado em 1973, e no PV: Ceará x Calouros do Ar no Gigante da Boa Vista, e Fortaleza x Icasa no Benfica. Ainda houve também as preliminares entre Ferroviário x Guarany e Tiradentes x América, respectivamente.

abrir

Em janeiro de 1993, as seleções cearense e brasileira fizeram amistoso em um PV com boa presença de público e empataram em 2 a 2, com gols de Jorge Veras, Dudé, Edu e Serginho Chulapa. O cantor Fagner atuou pelo time local, enquanto o craque Rivelino comandou o escrete nacional. "Com o anúncio da entrada em campo do cantor cearense Fagner e do tricampeão mundial Roberto Rivelino, as arquibancadas do estádio entraram em clima de entusiasmo", conta o texto.

Já em 7 de março de 1995, o estádio se preparava para reabrir após reforma em gramado e alambrado, que custou cerca de R$ 1 milhão. Um Clássico-Rei entre Ceará e Fortaleza reiniciou as atividades no palco histórico.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais