Politica

PSD e MDB no Ceará fazem atos de olho em 2020 e com troca de farpas

Com presença de Kassab, PSD segue plano de filiar lideranças. Tentando não perder espaço, MDB de Eunício traça estratégias. Eventos são marcados por troca de indiretas
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
GILBERTO Kassab e Domingos Filho comandaram a festa de filiações ao PSD em Pacatuba (Foto: DIVULGAÇÃO/PSD)
Foto: DIVULGAÇÃO/PSD GILBERTO Kassab e Domingos Filho comandaram a festa de filiações ao PSD em Pacatuba

Foi movimentada a sexta-feira na política do Ceará, com dois atos de partidos que, aparentemente, vão caminhando para lados opostos na perspectiva de seus interesses político-eleitorais, embora debaixo do mesmo guarda-chuva: a agitada base do governador Camilo Santana (PT).

Atendendo aos objetivos nacionais de Gilberto Kassab, que já quer pavimentar o caminho da sigla para 2022, o PSD necessita fazer um 2020 bem feito. Buscar o crescimento no Ceará pela via da intensa agenda no Interior, sob o tato político de seus principais líderes: Domingos Filho, Domingos Neto e Patrícia Aguiar.

No mesmo dia em que o ex-eunicista Carlomano Marques oficializou filiação ao PSD, Eunício Oliveira programou evento pautado pela proposta de fazer o MDB retrilhar seus caminhos e se distanciar da pecha do fisiologismo. Durante estes momentos, Carlomano e Eunício falaram um sobre o outro, as duas versões apontando ingratidões e infidelidades.

"Nunca deu um telefonema. Nem no aniversário, p… nenhuma. É como se eu não existisse", disparou um Carlomano ressentido. "Eu aloquei 14 milhões de reais para Pacatuba com uma obra de estrada sonhada por toda a população local, será que isso não é um olhar para o prefeito?", devolveu um Eunício que não conseguiu retornar ao Senado. E a eleição vai começando.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais