Politica

Como Tasso se aproximou de Eduardo Leite no PSDB

| Eleições 2022| Amizade antiga com sobrinho de Tasso influenciou aproximação entre o senador e o governador do Rio Grande do Sul, agora pré-candidato à Presidência
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
ATUAL governador do RS, Eduardo Leite se aproximou de Tasso Jereissati nos últimos anos (Foto: Jonas Pereira/Agência Senado)
Foto: Jonas Pereira/Agência Senado ATUAL governador do RS, Eduardo Leite se aproximou de Tasso Jereissati nos últimos anos

"Eduardo tem tudo para ser o que quiser no Brasil". A fala, feita em fevereiro por Tasso Jereissati (PSDB) ao jornal gaúcho Zero Hora, não esconde o otimismo do senador com a possível entrada de Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul, na eleição de 2022. Uma das lideranças mais tradicionais do PSDB, Tasso tem sido voz insistente entre tucanos em busca de renovação e construção de novas alternativas para o partido.

Na época da fala do senador, Eduardo Leite havia acabado de se lançar pré-candidato à Presidência, em movimento que era mais visto como sintoma do racha nacional tucano do que real entrada do gaúcho na disputa pela sucessão de Jair Bolsonaro. Dias antes do anúncio, o governador de São Paulo, João Doria, havia realizado ofensiva em busca de maior controle do PSDB, provocando reações de lideranças do partido em todo o País.

Balão de ensaio ou não, a candidatura de Leite reuniu simpatizantes entre tucanos de todo o País, e João Doria – até então visto como “candidato único” do PSDB – acabou ganhando um concorrente interno pela vaga. "É importante o surgimento de alternativas para o PSDB”, defendeu Tasso, presidente nacional do partido por dois mandatos, em entrevistas realizadas nas semanas que sucederam o anúncio.

Apesar de declarações do cearense em defesa da pré-candidatura de Leite serem recentes, a relação entre os tucanos não é exatamente nova. Segundo interlocutores ouvidos pelo O POVO, os dois se conheceram entre 2015 e 2016, quando Tasso havia acabado de assumir mandato no Senado e Leite ainda era prefeito de Pelotas, município do Interior gaúcho, e fazia frequentes viagens a Brasília, quase sempre com visitas ao Congresso.

A aproximação entre os dois foi influenciada sobretudo por uma amizade de longa data entre Eduardo e o empresário Carlos Jereissati Filho, CEO do grupo de shoppings Iguatemi. Sobrinho de Tasso, "Carlinhos" mantém negócios no Sul e participa também da Comunitas, ONG ligada ao PSDB que promove discussões de políticas públicas principalmente em gestões tucanas, incluindo a administração de Leite na Prefeitura de Pelotas.

Entre participantes frequentes de discussões da Comunitas estão, além de diversos empresários, personalidades políticas como o apresentador e presidenciável Luciano Huck e o ex-governador do Espírito Santo, Paulo Hartung. Em 2016, quando Leite não disputou reeleição – dispositivo que ele diz ser contrário – e lançou a vice Paula Mascarenhas (PSDB) para o cargo, ela contou com doação de R$ 150 mil de Carlinhos Jereissati.

Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB)
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB)

Com as referências do sobrinho, Tasso e Eduardo continuaram em rota próxima após as conversas iniciais em Brasília. “É do estilo do Tasso, procurar revelar novas lideranças, é algo que ele sempre buscou. E o Eduardo chamou a atenção pela desenvoltura, pela eloquência, por conseguir ter um discurso equilibrado”, diz um aliado próximo do senador.

O alinhamento ficou mais evidente em 2017, quando Tasso assumiu interinamente o comando do PSDB após o então líder-maior do partido, Aécio Neves (MG), ser implicado na delação da JBS. Na época, o senador cearense tentou liderar um movimento de autocrítica e renovação interna no partido, defendendo que os tucanos saíssem formalmente do governo de Michel Temer (MDB) e fossem para a oposição.

O plano acabou repelido pelas lideranças mais históricas do PSDB, mas ganhou várias adesões entre tucanos mais novos – os chamados “cabeças pretas” –, entre eles Eduardo Leite. "Vamos pagar um preço alto por manter Temer no poder", disse o agora governador gaúcho em novembro de 2017, poucos dias após Aécio “debelar” o movimento puxado por Tasso e afastar o cearense do comando nacional do PSDB.

Mesmo com a mudança na cúpula tucana, relação entre Tasso e Leite permaneceu ao ponto de, na eleição de 2018, o senador cearense ter sido uma das principais lideranças nacionais do PSDB a participar da convenção que lançou o ex-prefeito ao governo gaúcho. Na época, Tasso chegou inclusive a gravar peças de apoio ao candidato, motivado pela busca de renovação entre quadros do partido.

Naquele ano, a família Jereissati viraria uma das principais contribuidoras da campanha do governador gaúcho entre pessoas físicas, com os irmãos Carlinhos e Pedro Jereissati doando R$ 150 mil para o tucano e Renata Queiroz Jereissati, esposa de Tasso, doando outros R$ 50 mil. No final da disputa, Leite foi eleito vencendo o então governador, Ivo Sartori (MDB), no segundo turno com 53,62% dos votos.

Em conversas recentes, tucanos avaliam que ainda é cedo para saber como o partido deverá se portar na disputa de 2022. O próprio Tasso, apesar de não esconder entusiasmo com a entrada de Leite na disputa, mantém boa relação com João Doria e defende ainda um longo processo de debates internos para o partido.

O jogo fica indefinido sobretudo com a volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que teve condenações na Lava Jato anuladas por Edson Fachin no mês passado, ao cenário político. Entre tucanos, no entanto, uma coisa já é certa: o governador de São Paulo não é mais o único no páreo.

Brasilia em 9 de julho de 2019, Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. Ordem do dia...Governador do Rio Grande do Sul , Eduardo Leite (PSDB), conversa com parlamentares...Participam: senador Tasso Jereissati (PSDB-CE); senador Jayme Campos (DEM-MT); senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL)...Foto: Roque de Sá/Agência Senado
Foto: Roque de Sá/Agência Senado
Brasilia em 9 de julho de 2019, Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. Ordem do dia...Governador do Rio Grande do Sul , Eduardo Leite (PSDB), conversa com parlamentares...Participam: senador Tasso Jereissati (PSDB-CE); senador Jayme Campos (DEM-MT); senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL)...Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais