Foto de Regina Ribeiro
clique para exibir bio do colunista

Regina Ribeiro é jornalista e leitora voraz de notícias e de livros. Já foi editora de Economia e de Cultura do O POVO. Atualmente é editora da Edições Demócrito Rocha

A violência contra as mulheres precisa ser combatida desde a infância nos livros didáticos

A violência contra as mulheres no Brasil precisa ser atacada pela escola desde a infância, pelas empresas, pelas igrejas, porque trata-se de uma chaga social
Tipo Opinião
Violência contra a mulher atinge níveis alarmantes no Brasil  (Foto: Infoescola)
Foto: Infoescola Violência contra a mulher atinge níveis alarmantes no Brasil

Esta foi uma semana difícil para nós, mulheres. Aliás, o último mapa da violência contra as mulheres divulgado em 2020, revela que entre janeiro e novembro de 2018 – data do último levantamento – a imprensa brasileira noticiou 14.796 casos de violência doméstica em todo o País. Namorados, maridos, ex-companheiros, de um modo em geral, são a maioria dos responsáveis pelas agressões.

Esta semana, o vídeo do DJ Ivis espancando a mulher, Pamela, foi uma das coisas mais horrorosas que eu já vi nos últimos tempos. Mesmo sem imagens, a situação das mulheres exige cuidados. Na Câmara Federal, um projeto de lei aprovado esta semana reduziu para 5% o valor do fundo partidário a ser utilizado em candidaturas femininas. A justificativa é que são poucas as mulheres que se candidatam. Certo. Agora me digam: Quais os projetos desenvolvidos no Brasil que estimulam a participação das mulheres como representantes da sociedade na política partidária?

"O lugar que as mulheres ocupam é uma construção social que começa na infância e reverbera nas decisões futuras de uma menina "

Também esta semana, um grupo de deputados do Psol entraram na justiça para suspender o edital federal para compra de livros didáticos para crianças do 1º ao 5º ano devido à retirada do edital a recomendação para as editoras que deveriam ter uma : “especial atenção para o compromisso educacional com a agenda da não-violência contra a mulher".

Na prática, os livros didáticos deveriam prestar bastante atenção à forma com as mulheres são representadas nos textos, fotos, ilustrações. Um tratamento igualitário entre homens e mulheres é algo que pode se aprender na infância e na escola, moldando um futuro menos violento. Colocar num livro didático a cena de uma mulher sorrindo vestindo um avental, abraçada a uma vassoura e um homem sisudo, de óculos, lendo, navegando pelo celular ou praticando esportes encarna o que pode haver de mais perverso nas relações sociais. O lugar que as mulheres ocupam é uma construção social que começa na infância e reverbera nas decisões futuras de uma menina e na rapidez com a qual ela dirá não à violência doméstica.

Para encerrar, as inscrições do Enem tiveram o menor índice de inscritos desde 2008. Foram apenas 4 milhões de inscritos. São meninos e meninas com a vida escolar atrasada em pelos menos um ano. Entre esse grupo, as meninas são as que mais sofrem quando param de estudar ou se atrasam na escola.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais