Vida & Arte

II Seminário Negritude Infinita debate cinema negro no Brasil

Seminário traz cinco mesas de debate que refletem e discutem experiências múltiplas do fazer cinema negro no Ceará e no Brasil. Coletivo ainda lança livro e articula censo de profissionais do Estado
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
A Negritude Infinita desdobra reflexões sobre cinema negro no Brasil em eventos, publicações e levantamento de dados (Foto: Casamata / divulgação)
Foto: Casamata / divulgação A Negritude Infinita desdobra reflexões sobre cinema negro no Brasil em eventos, publicações e levantamento de dados

"O esforço da Negritude Infinita, desde a sua criação, tem sido em reafirmar a pluralidade e a multiplicidade das experiências do fazer cinema negro, entendendo o cinema como um instrumento importante nas lutas sociais da população negra". A afirmação da artista visual, produtora e cineasta Luly Pinheiro dá conta do que norteia as ações do coletivo. Hoje, o grupo dá partida à segunda edição do Seminário Negritude Infinita, cujo tema central é "Dispositivos e estratégias imaginativas no Cinema Negro Brasileiro". A transmissão ocorre ao vivo no YouTube com tradução simultânea em Libras.

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Negritude Infinita (@negritudeinfinita)

O seminário se estende até a próxima sexta, 15, e contará com cinco mesas de debate, cada uma com 1h30min de duração, que receberão profissionais de todo o Brasil dos campos da curadoria, crítica, produção, pesquisa e formação, entre outros. A Negritude Infinita é também uma mostra audiovisual e foi em sua segunda edição que o seminário estreou. "Quando produzimos o primeiro, queríamos justamente ampliar os espaços de discussão em torno dos caminhos estéticos, éticos e políticos, abrindo canais de comunicação de compartilhamento das estratégias de produção e difusão tanto dos filmes como do pensamento em torno desses cinemas negros", recupera Luly.

Na segunda edição, as mesas de debate irão abordar discussões acerca de outras noções de representatividade e visibilidade, gêneros cinematográficos como possível ferramenta de descolonização, estratégias de entrada e permanência no mercado e curadoria. No total, serão 13 pessoas convidadas. As mediações serão das integrantes do coletivo Ana Aline Furtado, Luly Pinheiro, Lilian do Rosário, Darwin Marinho e Leon Reis.

Leia também | Arte para desmontar os arquivos coloniais, por Rodrigo Lopes

Como qualidade dos dispositivos e estratégias possíveis para o cinema negro no País, a imaginação, aponta Luly, "é uma transferência de energias que nos possibilita sonhar ou fabular formas e gestos de discursos perdidos ou porvir". É por isso, então, que ela desponta como elemento importante das reflexões, sendo "uma via de se autorizar a falar e dizer o impensável".

Junto da realização do seminário, estão abertas até 25 de janeiro as inscrições de curtas e longas para 3ª Mostra Negritude Infinita, prevista para março, com produção da Casamata e apoio da Secretaria da Cultura do Ceará pela Lei Aldir Blanc. A partir das propostas norteadoras, a Negritude Infinita, porém, se desdobra para além dos eventos. O coletivo organizou recentemente um livro com textos de artistas e pesquisadores que abordam temas relacionados ao foco de reflexão do grupo e lançou o Censo de Profissionais Negres no Audiovisual do Ceará, inspirado por uma pergunta que abriu uma das mesas do primeiro seminário realizado: "Quem faz cinema no Ceará?".

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Negritude Infinita (@negritudeinfinita)

"O Censo tenta buscar pistas de como responder essa pergunta. O objetivo é mapear quem são esses e essas artistes e profissionais, como estão distribuídos territorialmente pelo Ceará, que funções exercem, como é o acesso desses profissionais aos editais de fomento do Estado, às políticas de incentivo e a outros equipamentos", destrincha Luly.

Leia também | A importância da diversidade para os processos de curadoria

É possível preencher o formulário até 17 de janeiro. Podem participar do levantamento pessoas negras que componham qualquer setor, área e função no audiovisual e que sejam ou nascidas e residentes no Ceará, ou somente nascidas ou, ainda, nascidas em outros Estados e residentes no Ceará há pelo menos dois anos.

Com uma posterior análise quantitativa e qualitativa dos dados levantados, serão produzidos um relatório e um artigo, além de planos para continuar o mapeamento realizado. "O censo poderá nos munir de informações relevantes que possam nos ajudar a cobrar do poder público práticas mais assertivas de políticas públicas voltadas para a população negra", ressalta a realizadora.

Agenda

II Seminário Negritude Infinita
Quando: de hoje, 13, a 15
Onde: bit.ly/CasamataYoutube
Infos: negritudeinfinita.com

Censo de Profissionais Negres no Audiovisual do Ceará
Quando: até 17 de janeiro
Onde: negritudeinfinita.com/censoceara/

III Mostra Negritude Infinita
Quando: inscrições até dia 25
Onde: negritudeinfinita.com/ed2021/inscricoes/

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais