Reportagem Seriada

Sem Phelps e Bolt, quem são os principais candidatos a estrelas das Olimpíadas de Tóquio

Com as aposentadorias de Michael Phelps e Usain Bolt, O POVO lista os principais candidatos a estrelas da Tóquio-2020. E tem Time Brasil na lista
Episódio 10

Sem Phelps e Bolt, quem são os principais candidatos a estrelas das Olimpíadas de Tóquio

Com as aposentadorias de Michael Phelps e Usain Bolt, O POVO lista os principais candidatos a estrelas da Tóquio-2020. E tem Time Brasil na lista Episódio 10
Tipo Notícia Por

 

 

A Olimpíada de Tóquio marca a primeira vez, desde Atenas-2004, que os fãs dos esportes olímpicos não vão ver em ação dois gigantes símbolos dos Jogos deslizando sobre as águas ou pistas de atletismo. Com status de lendas, o norte-americano Michael Phelps e o jamaicano se despediram da competição na Rio-2016 e deixaram enorme lacuna de protagonismo para ser preenchida.

O lugar vazio deixado pela dupla será oficialmente ocupado em Tóquio. Com a ajuda do jornalista especializado em esportes olímpicos e editor do blog Laguna Olímpico, Marcelo Laguna, O POVO traz os principais candidatos a grande estrela da atual edição destas Olimpíadas (e das próximas).

Usain Bolt é um dos maiores atletas da história dos Jogos Olímpicos (Foto: AFP)
Foto: AFP Usain Bolt é um dos maiores atletas da história dos Jogos Olímpicos

Favorita absoluta ao título simbólico de "craque da Tóquio-2020", a norte-americana Simone Biles, 24, desembarca em Tóquio para aumentar a coleção de medalhas na ginástica e fazer história em território japonês. A princípio, ela chega como a maior estrela da atualidade no âmbito de esportes olímpicos pelo talento e carisma, domínio na modalidade e pela bagagem em Jogos. Na Rio-2016, o fenômeno de 1,42m explodiu para o mundo ao conquistar quatro ouros e um bronze. A ginasta mira o recorde de Larisa Latynina, que somou 18 pódios pela União Soviética em três participações.

"Desta edição é a Simone Biles. É protagonista por vários aspectos técnicos e de imagem. Ela é um ídolo. Vem se impondo a desafios, colocando novos movimentos e elementos em suas séries", analisou Marcelo Laguna.

Para ler mais sobre as Olimpíadas de Tóquio

Em patamares abaixo na corrida pelo protagonismo, mas tão talentosos quanto Biles, fenômenos de outras modalidades esperam se consagrar na Tóquio-2020. O principal representante brasileiro é Gabriel Medina — polêmicas à parte. Maior nome do surfe atual, o paulista de 27 anos pode dar salto gigantesco na carreira se garantir o ouro na estreia do esporte nas Olimpíadas em meio à projeção que o torneio traz.

Bicampeão mundial de surfe (2014 e 2018), sendo o primeiro brasileiro a conquistar um título na elite do esporte, ele chega ao Japão como o líder do Circuito na temporada 2021. Junto a Medina, outro brasileiro está de olho na medalha de ouro e no protagonismo nos Jogos. O potiguar Ítalo Ferreira, 27, é o principal concorrente do paulista, campeão da última edição da Liga Mundial de Surfe e atual número dois no ranking.

"Dois caras referências mundiais. Eles já são realidade do esporte mundial. A Olimpíada pode impulsionar ainda mais o tamanho desses caras. São carismáticos e têm histórico de conquistas. São nomes para ficarmos atentos", alerta Laguna.

Na piscina, são dois os mais fortes candidatos ao protagonismo após a aposentadoria de Phelps. São os norte-americanos Caeleb Dressel, 24, e Katie Ledecky, 24, principais nomes da atualidade no esporte. Multicampeão, o nadador espera ultrapassar os dois ouros que conquistou na Rio-216 e é favorito nas provas individuais e de revezamento. A nadadora especialista em provas de longas distâncias já subiu cinco vezes no lugar mais alto do pódio em Olimpíadas, é detentora de recordes mundiais e quer quebrar novas marcas em Tóquio. Ledecky há anos praticamente só compete contra os próprios melhores tempos.

"São os dois nomes mais relevantes. Com certeza, eles vão atrair fãs e bater recordes individuais", pontou o jornalista.

 

"Esses novos nomes, com exceção da Biles, não têm o carisma do Bolt e Phelps. Vamos ter que entender essa nova ordem. Isso não significa que não veremos novos ídolos carismáticos surgindo. A Olimpíada tem esse poder de transformar comuns em grandes ídolos" Marcelo Laguna.

 

Com a despedida de Bolt na Rio-2016, o atletismo ficou órfão de uma estrela no comparativo técnico e de imagem em relação ao jamaicano. "Têm estrelas brilhantes, mas não na mesma grandeza. Um deles é Armand Duplantis", ressalta o editor do blog Laguna Olímpico.

O sueco de 21 anos é um fenômeno do salto com vara e quebrou recorde mundial que durava 26 anos ao saltar 6,15m. Além de "Mondo", o norueguês Karsten Warholm, 25, está na briga para ser a principal estrela do atletismo pós-Bolt. Ele quebrou o recorde dos 400m com barreira, que já durava 30 anos, e não perde uma disputa desde 2019.

"Esses novos nomes, com exceção da Biles, não têm o carisma do Bolt e Phelps. É algo que vamos ter que entender essa nova ordem. Isso não significa que não veremos novos ídolos carismáticos surgindo. A Olimpíada tem esse poder de transformar comuns em grandes ídolos", afirmou Marcelo Laguna.

Essa notícia foi relevante pra você?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Conteúdo exclusivo

Saiba mais

Estamos disponibilizando gratuitamente um conteúdo de acesso exclusivo de assinantes. Para mais colunas, vídeos e reportagens especias como essas acesse sua conta ou assine O POVO +.

Logo O POVO Mais