Reportagem Seriada

Cultura na pandemia: primeira a parar, última a voltar

Fragilizada em termos de políticas públicas há anos, cultura teve desafios acentuados com a chegada da pandemia e espera apoio para uma retomada futura plena
Episódio 10

Cultura na pandemia: primeira a parar, última a voltar

Fragilizada em termos de políticas públicas há anos, cultura teve desafios acentuados com a chegada da pandemia e espera apoio para uma retomada futura plena Episódio 10
Tipo Notícia Por

"Parece clichê dizer isso, mas, de fato, fomos os primeiros a parar as atividades e seremos os últimos a retornar com a segurança necessária". A frase de Edceu Barboza, artista e produtor do Grupo Ninho de Teatro, da região do Cariri cearense, sintetiza os desafios iniciais e ainda presentes impostos pela pandemia de Covid-19 ao setor artístico-cultural.

A necessária série de restrições às atividades de aglomeração impactaram diretamente o fazer artístico, que é essencialmente coletivo, seja em termos de criação ou de audiência. As adaptações tiveram que ser rápidas, como narram os membros do K'Os Coletivo, dedicado à palhaçaria.

"A gente estava com agenda bem lotada de circulações, temporadas. Tudo foi cancelado", rememora a atriz, palhaça e produtora cultural Aline Campêlo. "Ficamos um período sem saber o que ia ser, na nossa cabeça era 'daqui um mês vai resolver'. Depois, fomos entendendo o que estava acontecendo. Em poucos dias, apresentações anteriormente agendadas passaram para on-line", recupera a artista.

"A gente descobriu algo que nos possibilitou manter contatos com palhaços de outros estados, o que antes demandava agenda, condições financeiras", avança Aldrey Rocha, também do K'Os. Hoje, a adequação ao formato virtual já é uma demanda absorvida pelo setor. "Passado esse um ano de pandemia, isolamento e impossibilidades de recepção presencial, temos entendido que o que era adaptação já chega como linguagem, mais uma via de trabalhar", compreende Edceu.

Fortaleza, Ce, Brasil 17.02.21- Na foto: Aline Campelo e e Aldrey Rocha membros do coletivo KOs (caos coletivo) (Foto: Fco Fontenele/O POVO)(Foto: FCO FONTENELE)
Foto: FCO FONTENELE Fortaleza, Ce, Brasil 17.02.21- Na foto: Aline Campelo e e Aldrey Rocha membros do coletivo KOs (caos coletivo) (Foto: Fco Fontenele/O POVO)

Mais crucial do que a readequação inicial, porém, foi a necessidade de manutenção e sobrevivência. Sem poder circular, a classe trabalhadora da cultura se viu sem renda. Naquele momento, diversas campanhas de apoio foram promovidas, como destaca o produtor musical Dalwton Moura.

"Foi essencial. O campo da cultura cuidando do campo da cultura, diversas redes. Foi muito importante a sociedade civil se articular para se ajudar e fazer interlocução com o poder público para construir e demandar ações", destaca. Os movimentos de solidariedade foram da doação de cestas básicas à articulação por políticas.

 

No Cariri, o Grupo Ninho, em parceria com o coletivo Atuantes em Cena, já tinha planejado lançar uma campanha de financiamento coletivo para apoio à Casa Ninho, espaço co-gerido pelos grupos. O local, como ressalta Edceu, "não tem apoio de modo direto e contínuo do poder público em nenhuma das esferas" e o contexto da pandemia levou ao adiantamento da campanha. "Tivemos uma adesão muito positiva, que foi o que nos permitiu manter o espaço sem atividades", destaca.

Além do apoio mútuo da classe, as ações de entidades e do poder público foram cruciais. O ápice foi a Lei Aldir Blanc, criada a partir de articulação entre o setor, sociedade e membros do legislativo. Investindo em assistência e fomento, a lei foi executada por municípios e estados, que dividiram as responsabilidades. A partir dela, espaços culturais puderam contar com subsídios para manutenção, trabalhadoras tiveram auxílio emergencial e dezenas de editais foram lançados, estimulando a economia.

Assista à vídeo sobre "Atravessar a Pandemia"

 

 

As experiências de execução da Lei Aldir Blanc apontam a importância do apoio público para a retomada futura do setor e ressaltam caminhos necessários para as gestões. "Na operacionalização da lei, recursos voltados à arte e cultura vêm chegando em agentes e produtores que, a nível de estado, nunca se tinha conseguido alcançar. É interessante pensar isso como uma real política de descentralização", reconhece Edceu.

Dalwton reforça a avaliação lembrando que o número de inscrições de auxílio emergencial, operado pela Secretaria da Cultura do Estado, foi menor do que o previsto, enquanto no âmbito de fomento da Secretaria da Cultura de Fortaleza a decisão por contemplar todos os inscritos habilitados - distribuindo para mais proponentes um valor menor - foi positiva.

"Precisamos reavaliar a política de editais. Um edital mais inclusivo deixa claro o quanto temos de demanda, de gente que faz cultura e precisa desse apoio. O da Secultfor deixa claro quantas pessoas precisam ser mapeadas e incluídas nesse processo. Já o auxílio da da Secult deixa a lição de que é preciso chegar nas pessoas que não conseguem se inscrever", observa Dalwton.

O produtor ressalta, ainda, a necessidade de movimentação também da iniciativa privada. "A pandemia deixou evidentes as precariedades do campo cultural que não se referem somente ao poder público, mas também demandam reflexão e ação da iniciativa privada. Não é um desafio exclusivo do poder público", avança.

"O cenário é incerto. Vai levar uns anos para a 'normalidade' e os fluxos cotidianos voltarem com segurança. Penso que é um futuro que vai ter que continuar atento à reunião de pessoas. O futuro é de cuidado", prevê Edceu. Um esboço possível do porvir foi experimentado a partir de setembro de 2020, quando a situação da pandemia esteve menos crítica no Estado e atividades reabriram.

Na cultura, este retorno foi trôpego. "Ele se deu de modo muito tímido porque é complexo pensar, ainda que dentro dos protocolos, a junção de pessoas num espaço fechado. Há um princípio de responsabilidade coletiva e optamos, naquele momento, por não reabrir atividades externas", conta Edceu.

A posição foi a mesma do K'Os Coletivo. "A gente não chegou a retomar as atividades presenciais como antes - acho que ninguém chegou", arrisca Aldrey. O grupo, conta, não reabriu atividades com público, mas participou pontualmente de festivais que tiveram apresentações presenciais.


As experiências provaram a impossibilidade de uma reabertura de fato por conta de um entrave específico: os custos. "Os eventos seguiram à risca os protocolos, fizemos testes de covid-19 antes. Vimos toda essa demanda para fazer apresentações e que não teríamos condições de fazê-las na nossa sede", aponta o artista.

O cenário é de desafios acentuados, repita-se, mas não novos. "Agora, mais do que nunca, a gente percebeu a necessidade da arte para reelaboração de cidadanias e construção das subjetividades", destaca Edceu. "Historicamente falando, o artista passa por isso não é de agora. Mas nós estamos aqui hoje", identifica Aldrey. "E se a gente está, é porque conseguimos ultrapassar barreiras que são impostas. Essa é a magia da arte", finaliza.

 

Essa notícia foi relevante pra você?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Conteúdo exclusivo

Saiba mais

Estamos disponibilizando gratuitamente um conteúdo de acesso exclusivo de assinantes. Para mais colunas, vídeos e reportagens especias como essas acesse sua conta ou assine O POVO +.

Logo O POVO Mais