Reportagem Seriada

Supermercados reduzem contato, aumentam delivery e apostam em rastreabilidade

Neste segundo episódio da série sobre automação das empresas durante a pandemia do novo coronavírus, as estratégias dos supermercados, como os serviços de autoatendimento e pagamento por proximidade, que ganharam destaque e passaram a ser mais utilizados
Episódio 2

Supermercados reduzem contato, aumentam delivery e apostam em rastreabilidade

Neste segundo episódio da série sobre automação das empresas durante a pandemia do novo coronavírus, as estratégias dos supermercados, como os serviços de autoatendimento e pagamento por proximidade, que ganharam destaque e passaram a ser mais utilizados Episódio 2
Tipo Notícia Por

Mesmo abertos durante a suspensão da atividade econômica não essencial no Ceará, os supermercados também abraçaram a tecnologia para oferecer segurança e comodidade aos seus clientes durante a pandemia. Serviços como o autoatendimento (self checkout) e pagamento por proximidade, por exemplo, ganharam destaque e passaram a ser mais utilizados.

Além disso, o delivery do setor, que historicamente possui uma certa resistência por parte dos consumidores, já vende mais do que algumas boas lojas físicas.

Nos Mercadinhos São Luiz, a utilização do autoatendimento começou há aproximadamente um ano e meio e, atualmente, já está disponível em 13 das 19 lojas em Fortaleza, de acordo com Márcio Falcão, diretor de Infraestrutura e TI da empresa.

...

Self checkout

A rede é uma das que mais utiliza o self checkout em seus estabelecimentos da Capital e já tem planos de ampliar o serviço para todas as unidades. "Já tínhamos até iniciado o processo de implantação, mas, por conta da quarentena, tivemos que adiar. Agora, com a atividade econômica sendo retomada, vamos seguir com o planejamento, até porque esse tipo de serviço está demandado", comenta.

No autoatendimento, o consumidor, sem nenhum tipo de contato com um atendente, processa suas compras, aproximando o código de barras de um leitor, e posteriormente efetua seus próprios pagamentos. Segundo Márcio Falcão, o serviço é bastante procurado por pessoas que desejam fazer compras rápidas e evitar filas, o que tem sido fundamental no atual cenário de pandemia.

"Em algumas lojas, como a do shopping RioMar Fortaleza, os caixas de self checkout são mais utilizados do que os convencionais", revela.

FORTALEZA, CE, BRASIL, 05.06.2020: Imagem do autoatendimento (self-checkout) e pagamento sem caixa no supermercado São Luís , Av. Oliveira Paiva.  (Foto: Fabio Lima/ O POVO)(Foto: Fabio Lima)
Foto: Fabio Lima FORTALEZA, CE, BRASIL, 05.06.2020: Imagem do autoatendimento (self-checkout) e pagamento sem caixa no supermercado São Luís , Av. Oliveira Paiva. (Foto: Fabio Lima/ O POVO)

Outro serviço que teve sua utilização aumentada foi o pagamento por aproximação, que ocorre por meio de uma tecnologia chamada NFC, que permite que o consumidor pague suas compras apenas aproximando seu smartphone, pulseira ou cartão do leitor. 

"Há alguns anos, uma loja disponibilizar isso era considerado 'luxo'. Hoje, trata-se de algo fundamental para evitar que as pessoas precisem digitar a senha do cartão", diz Márcio, reiterando que a utilização do serviço foi bastante intensificada nas unidades do São Luiz da Capital.

Sobre o delivery, o diretor de infraestrutura e TI dos Mercadinhos São Luiz revela que "em cinco anos não tínhamos crescido tanto quanto nos últimos meses". Sem um serviço próprio de entrega, a empresa trabalha em parceria com a Rappi, mas já se prepara para lançar, nos próximos meses, um aplicativo voltado ao e-commerce, que antes da crise representava 25% sobre o faturamento de uma boa loja. Atualmente, a situação é diferente. "Nosso comércio eletrônico já vende mais do que uma boa loja" revela.

Com um serviço de delivery mais desenvolvido, o Pinheiro Supermercado também viu a utilização de seu aplicativo, referência em entregas entre os supermercados de Fortaleza, crescer 300% com a crise, revela Alexandre Pinheiro, diretor Comercial e de Marketing da empresa.

Segundo ele, o uso do e-commerce no setor supermercadista é "um caminho sem volta" e deve virar tendência após a pandemia. "Hoje, só vai ao supermercado quem gosta muito, pois é possível acessar a loja todinha dentro do celular e receber as compras em casa, ou ir buscá-las com hora marcada. Nosso aplicativo lembra até se já está na hora do cliente fazer ou não suas compras da semana. A tendência é isso ficar cada vez mais personalizado", diz.

...

Rastreabilidade de alimentos

A rede de supermercados Pinheiro aposta na rastreabilidade de alimentos(Foto: Aurelio Alves/O POVOS)
Foto: Aurelio Alves/O POVOS A rede de supermercados Pinheiro aposta na rastreabilidade de alimentos

Com um centro de distribuição e 11 lojas, algumas com caixas de autoatendimento disponíveis, o Pinheiro também aposta alto na rastreabilidade de alimentos frescos embalados (FLV – frutas, legumes e verduras). Há algum tempo, a empresa adotou os padrões GS1 nas etiquetas, permitindo que os clientes sejam avisados sobre a data de validade do produto, quem o produziu e todos os passos percorridos até chegar à loja.

"Esse detalhe de saber de onde vem o alimento, quando foi colhido, são informações que as pessoas vão valorizar ainda mais. Não tenho dúvidas de que a saudabilidade e procura por produtos orgânicos, sem conservantes e com procedência segura, será drasticamente elevada daqui para frente", avalia Alexandre.

...

Serviços mais digitalizados

Muitos estabelecimentos que não tinham aderido ao delivery, tiveram que se adaptar com a pandemia(Foto: JULIO CAESAR)
Foto: JULIO CAESAR Muitos estabelecimentos que não tinham aderido ao delivery, tiveram que se adaptar com a pandemia

Dois setores intimamente ligados ao contato social, comércio e serviços tiveram que se reinventar de diversas formas para lidar com o isolamento ou distanciamento no qual seus consumidores precisaram aderir no atual cenário de pandemia.

Mesmo não acreditando que a automação estará tão presente no atendimento ao público no pós-crise, representantes do setor admitem que a tendência é de que algumas práticas fiquem mais digitalizadas e que será preciso buscar alternativas para reduzir custos a otimizar processos.

Segundo Taiene Righetto, diretor executivo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Ceará (Abrasel-CE), a automação de alguns processos no setor de serviços é uma realidade "mais próxima do que se possa imaginar".

Conforme diz, mesmo que sejam mais simples do que em outras áreas como a indústria, esses mecanismos devem adentrar nos estabelecimentos para que os consumidores vejam que o setor se adaptou à realidade pós-crise.

"São detalhes simples que fazem a diferença. Neste primeiro momento, por exemplo, as pessoas não vão ficar inseguras em tocar no cardápio. Então, por que não digitalizar e permitir que os clientes, através de seus próprios smartphones, acessem o menu e façam o pedido?", questiona.

...

"Novo normal"

Ainda de acordo com Taiene, tecnologias de automação já existem entre bares e restaurantes, mas, até então, sempre de forma tímida. Com o consumidor diferente neste "novo normal", ele acredita que muitas práticas já adotadas em alguns estabelecimentos pontuais ganharão destaque. "Filas virtuais é algo que já existe e creio que será uma tendência. A tecnologia, como em qualquer negócio, vai estar presente", afirma.

Com os estabelecimentos fechados, é natural que os serviços de delivery tenham crescido durante a crise, mas o diretor da Abrasel-CE conta que ficou impressionado com a profissionalização de outras ferramentas digitais neste processo de venda online.

"É muito legal ver o que alguns estabelecimentos estão fazendo por meio do WhatsApp e Telegram, por exemplo, com a personalização de cardápios e atendimento mais próximo do cliente", ressalta. Sobre avanços tecnológicos mais complexos, Taiene diz que já há ferramentas "jamais imagináveis" em alguns locais do Brasil, e que isso não deve demorar em chegar no Ceará.

Um exemplo de mudança nesta pandemia foi lançado nos restaurantes do Grupo Geppos, que vão adotar o uso de cardápio digital por QR Code(Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação Um exemplo de mudança nesta pandemia foi lançado nos restaurantes do Grupo Geppos, que vão adotar o uso de cardápio digital por QR Code

"Já temos visto ferramentas em que o cliente entra no restaurante virtualmente, interage com o chef e vê toda a preparação do seu prato", revela Taiene. O diretor da Abrasel-CE pondera que a satisfação de ir a um bar bater papo com amigos não será facilmente substituída na realidade pós-crise, mas que novas experiências existirão. "Nada vai ser como antes. Temos inovações interessantes que vieram para ficar", diz.

Automação
no comércio

No comércio brasileiro, a automação do atendimento ainda é algo difícil de se imaginar, aponta Freitas Cordeiro, presidente Federação das Câmara dos Dirigentes Lojistas do Ceará (FCDL).

Ele destaca, porém, que o varejo precisará acompanhar de perto os avanços tecnológicos para oferecer mais comodidade aos consumidores e até mesmo para se manter em funcionamento, com a redução de custos e otimização de processos.

"O cliente é o primeiro a tomar conhecimento dessas soluções tecnológicas e o primeiro a buscá-las nas lojas. Se o varejista não estiver antenado, perderá seu público para outro que esteja", pondera.

Já quando o assunto é e-commerce, Freitas destaca que a crise veio para mostrar que "isso não é uma opção há tempos, mas sim uma necessidade". Segundo ele, muitos varejistas cearenses conseguiram manter, pelo menos, 40% de seu faturamento apenas com vendas online, índice considerado "muito significante" por ele, ainda mais num cenário de crise.

"Isso não tem mais retorno. Na verdade, creio que o comércio eletrônico vai evoluir ainda mais, tendo em vista que a comodidade é algo que cativa tanto lojistas como consumidores", afirma.

De acordo com ele, a própria FCDL lançará, nas próximas semanas, um marketplace chamado "Lojas Aqui" para ajudar varejistas cearenses a vender no mundo virtual. A expectativa é que haja uma adesão forte dos pequenos, que não têm condição de terem sua própria plataforma digital.

 

Episódio 3 - Pesquisa revela que 18,1% das empresas brasileiras arcam com multas e juros mensalmente por conta de atrasos de guias tributárias

Essa notícia foi relevante pra você?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Conteúdo exclusivo

Saiba mais

Estamos disponibilizando gratuitamente um conteúdo de acesso exclusivo de assinantes. Para mais colunas, vídeos e reportagens especias como essas acesse sua conta ou assine O POVO +.

Logo O POVO Mais