Logo O POVO Mais
Reportagem Seriada

Moradores de Pacatuba impedem retirada de turbina do avião da Vasp

| Tragédia da Aratanha | 40 anos depois do acidente que matou 137 ocupantes do voo 168, Corpo de Bombeiros do Ceará tenta remover turbina para o museu da Corporação militar
Episódio 5

Moradores de Pacatuba impedem retirada de turbina do avião da Vasp

| Tragédia da Aratanha | 40 anos depois do acidente que matou 137 ocupantes do voo 168, Corpo de Bombeiros do Ceará tenta remover turbina para o museu da Corporação militar Episódio 5
Tipo Notícia Por

 

 

Durante as filmagens do "Voo 168 - a tragédia da Aratanha", produção do O POVO Mais (OP ), um flagrante fora do roteiro sobre os 40 anos do desastre com o Boeing 727-200 da Vasp, no Ceará. Perto da queda d'água onde o avião se despedaçou, mais de 10 bombeiros militares arrastavam com dificuldade uma das turbinas da aeronave. No acidente, ocorrido em 8/6/1982, nenhuma das 137 pessoas do voo sobreviveu ao impacto contra a serra mapeada no município de Pacatuba.

A cena da remoção do que restou da turbina para o Museu do Corpo de Bombeiros, em Fortaleza, foi incorporada à narrativa do primeiro longa-metragem do OP . O acaso surpreendeu a equipe do filme e chocou um dos principais personagens do documentário. O capitão aposentado Manoel Barbosa, 65, militar do Corpo de Bombeiros que participou em 1982 do resgate dos corpos, estava inconformado com a "surpresa".

Para o oficial, a turbina não poderia ser retirada do lugar onde o avião caiu e vitimou, instantaneamente, 128 passageiros e 9 tripulantes. "No meu entender, os destroços da aeronave pertencem ao local do sinistro. Já integram a memória e atraem visitantes para trilhas na serra da Aratanha", avaliou o militar da reserva.

abrir

"Criou-se um burburinho e uma mobilização, via telefonemas e mensagens de whatsApp, se fez para impedir a remoção da turbina do Boeing da Vasp"

 

No dia do flagrante, 22 de novembro do ano passado, a notícia se espalhou rapidamente entre moradores da serra e da sede da cidade de Pacatuba. Criou-se um burburinho e uma mobilização, via telefonemas e mensagens de whatsApp, se fez para impedir a remoção da turbina do Boeing da Vasp.

Um guia de turismo, que pediu para não ser identificado, se comunicou com o dono do sítio Boa Vista - local onde estão duas turbinas e uma parte do trem de pouso do 727-200, e avisou da movimentação na mata. Por ser propriedade particular e não ter havido diálogo com o proprietário, a operação do Corpo de Bombeiros do Ceará foi cancelada depois de horas de esforço para tentar arrastar a peça.

"O dono do sítio ligou para uma autoridade em Fortaleza e um telefonema impediu que o turismo, em torno da curiosidade sobre o lugar do acidente, fosse prejudicado", contou o guia de turismo de Pacatuba.


"Durante a operação, alguns populares da comunidade pediram para que a turbina permanecesse, pois o local serve como ponto turístico"

 

Em conversa com O POVO, a assessoria de comunicação da instituição militar informou que "pediu autorização dos órgãos competentes para trazer a turbina para o Museu do Corpo de Bombeiros, uma vez que essa é uma das ocorrências emblemáticas da nossa corporação".

No entanto, durante a operação, "alguns populares da comunidade pediram para que a turbina permanecesse, pois o local serve como ponto turístico. E como estamos sempre do lado da comunidade, achamos o pleito justo e resolvemos deixá-la no lugar".

A peça, porém, não foi recolocada no lugar original. Um vídeo filmado por um trabalhador da serra e publicado no Instagram mostra a turbina sendo jogada de um alto próximo à queda d'agua, o que revoltou moradores e guias da Aratanha. 

 

Para assistir ao documentário Voo 168 - A Tragédia da Aratanha no OP+


 

"Não há nenhuma intervenção municipal no lugar do acidente (memorial às vítimas, sinalização, informações sobre o desastre e a serra), porque o local pertence a uma Área de Preservação Ambiental "

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Pacatuba informou que desconhecia a operação para a remoção do fragmento do avião. E afirmou "que não há nenhuma intervenção municipal no lugar do acidente (memorial às vítimas, sinalização, informações sobre o desastre e a serra), porque qualquer movimento que altere a natureza desse patrimônio imaterial, deve ter autorização da Secretaria do Meio Ambiente do Ceará. Logo, o local pertence a uma Área de Preservação Ambiental (APA)".

Da sede de Pacatuba para o local do desastre com o 727-200 Vasp, onde foram encontrados restos mortais das 137 vítimas do desastre e destroços do avião, são quase duas horas de caminhada na serra. Trilha feita com guias de turismo e segurança.

 

 

>> Entrevista

Local do acidente da Vasp, no Ceará, precisa de estratégia de preservação e acesso na serra da Aratanha

 Para o museólogo Saulo Moreno Rocha, do Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (Mauc), a decisão para a remoção de um objeto – que faz parte da memória de um lugar – deve passar por discussões com o poder público e a população. Ele ressalta, porém, que vestígio abandonado a céu aberto sem estratégia de conservação e acesso – a exemplo dos pedaços do avião da Vasp – não significa preservação do evento histórico ocorrida ali.

Confira a conversa com Saulo Moreno, mestre em Museologia e Patrimônio pelo Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio (PPG-PMUS)/UNIRIO/MAST (Demitri Túlio).

Saulo Moreno Rocha, museólogo do Mauc(Foto: Acervo pessoal)
Foto: Acervo pessoal Saulo Moreno Rocha, museólogo do Mauc

O POVO – Os resquícios do avião devem permanecer no local, como quer a população?

Saulo Moreno Rocha - Como museólogo, o que posso afirmar é que a musealização de qualquer bem cultural ou evidência histórica deve ser feita, sempre que possível, a partir de uma avaliação ampla, crítica e democrática sobre os casos concretos e específicos.

Musealizar significa transformar em museu ou transferir algo para um museu. Existem algumas modalidades de musealização: a ex-situ, em que bens, objetos ou evidências são retirados de seus contextos originais ou de procedência e é feita uma recontextualização em museu, o que submete esse material a regras específicas de guarda, conservação, documentação, acesso e exibição; a in situ, quando não ocorre transferência ou mobilidade dos bens, pois eles são preservados e acessados no próprio contexto em que estejam inseridos, mas também recebem atenção especial e são tratados tecnicamente para que sejam comunicados e acessados.

Existe ainda a musealização no digital e a musealização temporária, quando um bem não é necessariamente incorporado a um acervo de museu, mas pode ser integrado por um período de tempo determinado a esse contexto, como em exposições temporárias ou de curta duração.

OP – Para uma retirada das peças, a população precisaria ser ouvida?

Saulo Moreno – Tendo em vista tais modalidades de musealização, a ativação de qualquer uma dessas possibilidades deverá levar em consideração a realidade específica que se pretende musealizar, os interesses em jogo, os valores atribuídos por diferentes sujeitos sociais e, antes de tudo, o interesse público, avaliando também as possibilidades de garantia de conservação e acesso.

Acho que escutar a população é essencial para se construir um consenso acerca do futuro dos fragmentos do avião e se eles deverão permanecer no terreno em que atualmente estão ou se deveriam ser deslocados para um museu.

Trata-se de um processo de negociação que deve ser construído pelas instituições envolvidas, com a escuta e participação ativa de todas as pessoas interessadas e com o acompanhamento de um(a) profissional Museóloga(o), com responsabilidade técnica para colaborar na construção da saída mais adequada.

OP – Levar a turbina para um museu sacraliza e restringe a democratização da memória?

Saulo Moreno - Depende de como o processo ocorre e de qual instituição estamos falando. Musealizar nem sempre significa sacralizar e impedir o acesso, pelo contrário, no geral, a transferência de bens para um museu busca garantir a sua integração a um circuito positivo de acesso e democratização, lançando-os a uma dimensão pública, característica dos museus.

Mas, novamente, reafirmo a importância das especificidades de cada processo. Se os vestígios atualmente estão somente dispersos por uma área aberta, de mata, sem qualquer sinalização, sem estratégias de conservação e de acesso, sem trilhas adequadas, não considero que esse estado de coisas seja o ideal para garantir a sua ampla divulgação.

Os museus operam de forma profissional e ética para garantir que os bens sob sua guarda sejam acessados por amplos públicos, traçando diferentes estratégias, como ações educativas, publicações, exposições, etc.

OP – Estar a céu aberto não significa preservação.

Saulo Moreno – Os museus possuem dinâmicas específicas voltadas à preservação, à pesquisa e comunicação de bens culturais, o que implica em inúmeros trabalhos especializados que visam garantir a integridade dos bens, a acessibilidade e a democratização. Estar a céu aberto não necessariamente representa um salto de acesso, pode ser também um impeditivo, a depender das condições específicas do lugar.

".. idealmente, creio que poderia ser feito uma negociação, levando alguma peça para o museu, garantindo assim uma representação desse fato histórico no acervo, e, por outro lado, poderia ser realizada a musealização in situ, ou seja, no sítio histórico"

 

OP - A serra da Aratanha, local do acidente, se tornou um museu vivo dessa memória?

Saulo Moreno - Se as pessoas do lugar consideram a Serra um espaço de memória relacionado ao acidente, o que podemos dizer é que pelo fato ocorrido e pelas evidências ali presentes, o local é um sítio histórico, uma área valorada como historicamente importante por conta do episódio.

Contudo, a ideia de “museu vivo” não é o termo mais adequado, pois ser museu implica em um trabalho de memória, quer dizer, devem existir ações encadeadas e permanentes com vistas à preservação, à educação, à pesquisa e à divulgação desse legado. Agora, se as pessoas atribuem a esse sítio a ideia de museu, não podemos desconsiderar, mas julgo mais pertinente considerá-lo como um sítio histórico.

OP - O que seria o ideal, a construção de marcos no local do acidente?

Saulo Moreno - Considero que é essencial o diálogo e a busca por consenso. Uma integração entre o contexto museal e o primário, por exemplo, seria bastante proveitoso. No museu, um vestígio do avião remeterá invariavelmente à Serra e, como sabemos, nem todas as pessoas poderão ir até lá, ver in loco onde aconteceu o acidente e o que ainda resta.

Portanto, esse item no museu possibilitará uma ampliação das percepções dos públicos que o visitarem acerca do que ocorreu. Contudo, também considero justas as reivindicações das pessoas que lá residem e que atribuem valores socioculturais àqueles vestígios.

Sendo assim, idealmente, creio que poderia ser feito uma negociação, levando alguma peça para o museu, garantindo assim uma representação desse fato histórico no acervo, e, por outro lado, poderia ser realizada a musealização in situ, ou seja, no sítio histórico, com a construção de um museu a céu aberto, com informações sobre o que ocorreu ali, sinalização dos vestígios, um centro de interpretação, enfim. São variadas as possibilidades.

OP – Um acompanhamento técnico.

Saulo Moreno – Destaco que é essencial que esses processos sejam feitos com o acompanhamento de um(a) museólogo(a), pois é esse profissional que poderá auxiliar na elaboração dos caminhos que poderão ser seguidos para a conquista da melhor situação, atendendo ao máximo as expectativas dos vários sujeitos envolvidos. Com isso, ganhará a população da Serra, o museu que está sendo criado e toda a população, que se beneficiará do acesso a esse fato histórico e suas implicações até o presente.

 

 

Para assistir aos bastidores da filmagem do documentário Voo 168 - A Tragédia da Aratanha

 

 

Para saber mais sobre a tragédia da Aratanha

 

 

Essa notícia foi relevante pra você?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Conteúdo exclusivo

Saiba mais

Estamos disponibilizando gratuitamente um conteúdo de acesso exclusivo de assinantes. Para mais colunas, vídeos e reportagens especias como essas acesse sua conta ou assine O POVO +.