Politica

Ciro sobre Girão na CPI: "Virou o maior puxa saco do Bolsonaro"

Além de criticar o senador cearense, o pedetista manifestou criticou formação da comissão e focou em ataques aos seus opositores na disputa presidencial em 2022
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
CIRO fez as críticas em vídeos ao governo federal (Foto: Reprodução)
Foto: Reprodução CIRO fez as críticas em vídeos ao governo federal

O ex-governador e ex-ministro Ciro Gomes criticou, nesta segunda-feira, 10, a atuação do senador Eduardo Girão (Podemos-CE) na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. Em entrevista à Rádio FM Assembleia transmitida pelo YouTube, o pedetista manifestou criticas a integrantes da comissão, em especial ao parlamentar cearense, opositor do atual governo estadual. 

Ao ser questionado sobre a efetividade da CPI no sentido de responsabilizar os culpados por ações e omissões na pandemia no Brasil, Ciro afirmou que ajudará a pressionar os parlamentares da comissão para tal fim, porém, alegou ter "vergonha" de um dos integrantes. 

"Tem um idiota cearense que enche a gente de vergonha nessa CPI e a gente pode pressioná-lo para que a ele pelo menos tenha medo de falar tanta besteira. Virou o maior puxa saco do Bolsonaro, traindo o voto do povo do Ceará", disse, se referindo a Girão sem mencioná-lo. 

Apesar de reconhecer a importância da CPI para apurar a responsabilidade do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no “excesso de mortes no Brasil”, Ciro criticou a formação da comissão e expressou descrença sobre os bons resultados dos trabalhos.

“Dá para um cara como eu acreditar que o Brasil vai ser moralizado por um relator chamado Renan Calheiros e numa maioria de uma CPI onde quase todos respondem por um processo?”, disse.

O POVO procurou o senador Eduardo Girão para comentar as declarações de Ciro Gomes. A assessoria do parlamentar informou que "como não se referiram diretamente a ele (Girão), não vamos nos pronunciar".

Mesmo com a criação de um relatório final “fiel com a realidade” - sendo posteriormente enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR) - o líder do PDT disse não acreditar na atuação da instituição comandada por Augusto Aras.

“Embora a gente tenha que respeitar institucionalmente, virou um acobertador geral das bandalheiras do Bolsonaro, da sua família e equipe. Ele recebe as notícias-crime que envio e manda para o arquivo ou então senta em cima”, criticou.

O pedetista disse ter como "exemplo de esperança na CPI" o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). "Tem um espírito público, amor ao povo e não se vende. Sempre vai atender ao povo”.

A aceno de Ciro a Tasso ocorre em meio à reaproximação entre os líderes partidários no Ceará, embora uma possível aliança esteja distante após o nome do tucano ser apontado como possível presidenciável do PSDB em 2022.

Aproveitando a discussão sobre o cenário eleitoral, Ciro criticou Bolsonaro e cutucou os atuais encontros políticos promovidos pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em Brasília. "Nós não vamos deixar essa lambança do Lula e essa lambança do Bolsonaro. Olha quem são os representantes na Assembleia e na Câmara. É essa gente que vai postular o destino do Ceará, Eunício Oliveira?”, ironizou.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais