Logo O POVO Mais
Reportagem Seriada

Um dinossauro chamado Bertha incita novas perguntas aos paleontólogos

A Berthasaura leopoldinae é uma nova espécie de terópode brasileiro, grupo de dinossauros conhecidos por terem dentes e serem majoritariamente carnívoros. O problema é que Bertha é banguela, deixando uma pulga atrás da orelha dos paleontólogos
Episódio 17

Um dinossauro chamado Bertha incita novas perguntas aos paleontólogos

A Berthasaura leopoldinae é uma nova espécie de terópode brasileiro, grupo de dinossauros conhecidos por terem dentes e serem majoritariamente carnívoros. O problema é que Bertha é banguela, deixando uma pulga atrás da orelha dos paleontólogos Episódio 17
Tipo Notícia Por
 
 

O que a imperatriz Maria Leopoldina, a primeira brasileira a se formar em Ciências Naturais, e uma escola de samba têm em comum? Resposta: um dinossauro!

E não é qualquer dinossauro, mas uma nova espécie de terópode abelissaurídeo brasileiro que, na avaliação do diretor do Museu Nacional (MN/UFRJ) Alexander Kellner, pode ser uma das principais descobertas da última década na paleontologia do País. Isso porque a descrição do animal abre um leque de questionamentos sobre a evolução dos terópodes, um grupo de dinossauros bípedes e principalmente carnívoros.

Mas já, já falamos sobre isso. Primeiro, vamos conhecer a protagonista dessa história.

Escultura de reconstrução em vida na Berthasaura leopoldinae.(Foto: Maurílio Oliveira)
Foto: Maurílio Oliveira Escultura de reconstrução em vida na Berthasaura leopoldinae.

A Berthasaura leopoldinae foi escavada entre 2011 e 2014, no município de Cruzeiro do Oeste (PR), em uma região conhecida como Cemitério dos Pterossauros. 

Esqueleto da Berthasaura leopoldinae após ser preparado.(Foto: Museu Nacional/Divulgação)
Foto: Museu Nacional/Divulgação Esqueleto da Berthasaura leopoldinae após ser preparado.

Lá, os paleontólogos encontraram fósseis muito bem preservados do crânio, cauda, coluna vertebral e pélvis do espécime, com datação aproximada de 70 a 80 milhões de anos.

Pelos ossos, foi possível identificar que o animal era jovem, medindo um metro de comprimento e, provavelmente, cerca de 80 centímetros de altura.

De acordo com o geólogo Luiz Weinschütz, do Centro Paleontológico da Universidade do Contestado (Cenpaleo), a boa preservação dos fósseis ocorreu pelas condições climáticas da época de Berthasaura. O que hoje é uma região com temperatura mais fria (pergunte a qualquer paranaense), no período Cretáceo superior era um local de clima árido, com poucas áreas úmidas e tendências de se criar oásis.

nome genérico "Primeiro nome que compõe o nome científico."  homenageia a pesquisadora Bertha Maria Júlia Lutz, primeira brasileira (entre homens e mulheres) a se formar em Ciências Naturais.

Também foi a segunda mulher no País a assumir um cargo público, no Museu Nacional, e organizou o Primeiro Congresso Feminista do Brasil, em 1922. O currículo é grande, mas aqui vai uma demonstração da influência de Bertha: fez parte da conferência que fundou a Organização das Nações Unidas (ONU).

  

 

Já o epíteto específico "Segundo nome que compõe o nome científico."  é uma alusão à imperatriz Maria Leopoldina. Ela tinha grande interesse em Botânica e Geologia/Mineralogia e incentivava as Ciências Naturais, sendo responsável por trazer da Áustria a primeira expedição científica para o Brasil, em 1817.

O nome ainda acaba homenageando a Escola de Samba Imperatriz Leopoldinense, que em 2018 levou para a avenida o enredo Uma Noite Real no Museu Nacional. No mesmo ano, comemorava-se o bicentenário da instituição.


 

Bertha é impressionante porque é banguela

 

 

A Berthasaura faz parte de uma família de dinossauros chamados terópodes abelissaurídeos. Eles são bípedes, específicos do supercontinente Gondwana "Supercontinente que unia o que hoje é a Antártica, América do Sul, África, Índia, Oceania e Nova Zelândia."  e geralmente carnívoros e onívoros. Por isso, todos têm dentes especializados para comer carne, o que parecia bem definido pelos paleontólogos... Até a Bertha aparecer.

Diferente dos companheiros da família, a Berthasaura é banguela — ou edêntulo, em termos científicos. "É o abelissaurídeo mais completo do Brasil e um dos terópodes mais completos. Mas o crânio (em formato de bico) é peculiar", explica Geovane Souza, que desenvolveu a pesquisa para a tese de doutorado no Programa de Pós-Graduação em Zoologia do Museu Nacional/UFRJ.

Desenho da cabeça da Berthasaura leopoldinae.(Foto: Divulgação/Museu Nacional)
Foto: Divulgação/Museu Nacional Desenho da cabeça da Berthasaura leopoldinae.

A ausência dos dentes é tão incomum no grupo que Geovane confessou até questionar a classificação de Bertha. Bem no começo, ele acreditava que ela era um ornithomimosauro, dinossauros parecidos com as aves modernas. Mas cada vez mais que ele olhava para o fóssil, ficava se perguntando como iria explicar cientificamente que ela fazia parte desse grupo... 

Então ele revisou, analisou tudo de novo e fez uma microtomografia computadorizada. E era isso mesmo, havia nenhuma evidência de dentes em um abelissaurídeo. "É o primeiro dinossauro edêntulo da América do Sul", reparou Geovane. A ficha caiu na pergunta seguinte: então o que a Berthasaura comia?

 

 

A resposta é... Não sabemos

Paleoarte de reconstrução em vida da Berthasaura leopoldinae.(Foto: Maurílio Oliveira)
Foto: Maurílio Oliveira Paleoarte de reconstrução em vida da Berthasaura leopoldinae.

A partir de agora, os paleontólogos têm um leque de questionamentos para investigar. Pelo visto, a perda de dentes entre os terópodes era mais frequente do que se imaginava até então. Algumas outras espécies já indicavam redução dos dentes, a partir dos da frente até os de trás.

Em outros animais, por exemplo, a evolução foi fazendo o caminho contrário: as aves do Cretáceo tinham dentes, o que foi sendo perdido aos poucos. Onde a Berthasaura se encaixa?

 

 

O que os paleontólogos entendem é que o fato dela ser banguela não a impede, necessariamente, de ter hábitos carnívoros como a maioria dos terópodes. "Gaviões, falcões e corujas conseguem comer carne mesmo sem dentes", pontua Geovane. Além disso, há também a hipótese de que a Bertha fosse onívora.

"Por isso, considero essa uma das top cinco descobertas científicas do Brasil", comemora Kellner. A Berthasaura faz parte dos novos materiais que irão compor o acervo do Museu Nacional, após a tragédia do incêndio na instituição em 2018. Diversos materiais fósseis, culturais e históricos foram perdidos na ocasião. Desde então, as pesquisas em parceria com o programa de pós-graduação do museu têm ajudado a reconstruir acervos e exposições.

O estudo que descreve a Berthasaura foi publicado na revista científica Nature, no dia 18 de novembro.

Essa notícia foi relevante pra você?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Conteúdo exclusivo

Saiba mais

Estamos disponibilizando gratuitamente um conteúdo de acesso exclusivo de assinantes. Para mais colunas, vídeos e reportagens especias como essas acesse sua conta ou assine O POVO +.

Recomendada para você

"