Logo O POVO Mais
CIDADES

Dia Nacional da Visibilidade Trans: "Nós temos que justificar nossa existência todos os dias"

No Dia da Visibilidade Trans, conquistas e desafios no país mais violento para essa população
Edição Impressa
Tipo Notícia
Bandeira trans é hasteada em prédio de Londres (Foto: Reprodução/Escritório de Assuntos Estrangeiros do Reino Unido)
Foto: Reprodução/Escritório de Assuntos Estrangeiros do Reino Unido Bandeira trans é hasteada em prédio de Londres

Quantas pessoas trans você conhece? Com quantas você convive? Além de vários outros problemas, essa população sofre também com a invisibilidade social. Esta prática, de relegar determinados grupos a espaços específicos, acaba gerando isolamento e dificuldade de ser percebido enquanto ser humano, digno de ter direitos e convívio. Isso leva ao desconhecimento, por parte de muitas pessoas, da realidade vivida por pessoas trans e quais desafios enfrentam. Desconhecimento esse que leva, por fim, ao preconceito, perpetuando o ciclo de violência contra esse grupo.

Para trabalhar essa questão o Ministério da Saúde e a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) lançaram, em 2004, a campanha “Travesti e respeito: já está na hora dos dois serem vistos juntos”, no dia 29 de janeiro. Desde então, a data passou a marcar o Dia Nacional da Visibilidade Trans. O objetivo é celebrar as conquistas, debater o que ainda precisa ser alcançado, e chamar a atenção para os problemas vividos cotidianamente por pessoas trans.

Brasil permanece, ano após ano, sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo, e a expectativa de vida dessa população no País é de apenas 35 anos. Outra dificuldade muito presente é a falta de oportunidades, pois a idade média em que os trans e travestis se assumem para a família é de 13 anos, o que muitas vezes gera expulsão ou fuga de casa pela falta de aceitação de parentes.

Sem acesso ao ensino formal e vivendo em situação de rua, acabam recorrendo à prostituição para se manter: cerca de 90% de travestis e mulheres trans precisaram realizar trabalho sexual em pelo menos algum momento da vida. Os dados são resultado de levantamentos realizados pela Antra ao longo dos anos.

Para Dediane Souza, titular da Coordenadoria Especial pela Diversidade Sexual da Prefeitura de Fortaleza, essas estatísticas são consequência da ideia de “corpos aceitáveis”. Segundo ela, “os corpos heterossexuais, os brancos, da classe média, são os corpos aceitáveis. A transgressão dos corpos transsexuais, que vão fugir da lógica binária, vai gerar um processo social das penalidades”. Dediane pontua que às pessoas trans tem sido negado o direito à vida em comunidade desde muito cedo. “O primeiro lugar onde a discriminação acontece é o ambiente familiar, passando pela vizinhança, pelo convívio comunitário. A escola também é um espaço de violência”, comenta. Isso ocorreria, diz ela, pela falta de naturalização, no cotidiano das cidades, das pessoas trans: “Nós temos que justificar nossa existência todos os dias”, completa.

 

Avanços e retrocessos

Uma ação importante para ajudar pessoas trans em situação de vulnerabilidade são os abrigos especializados, que recebem indivíduos que não teriam outra alternativa de acolhimento. Além de dar a essas pessoas um local para morar, os abrigos também auxiliam na inserção social e na melhoria da qualidade de vida, envolvendo-as em um ambiente sem preconceitos. Também são realizados nesses lugares, por vezes, reuniões com temáticas LGBT, cursos de capacitação, e outras atividades que permitem às pessoas alojadas oportunidades de se desenvolver, conseguir emprego e superar os estigmas.

É necessário também levar o debate a diversos âmbitos da sociedade e superar conceitos obsoletos mesmo na temática trans. Para Shay Bittencourt, da Associação Brasileira de Intersexos (Abrai), até mesmo pessoas trans acabam não sabendo seus direitos e como agir em diversas situações de preconceito que passam. “São temáticas de direitos humanos básicos, direito sobre o próprio corpo e de autodeterminação da identidade”, diz.

“Temos que levar essas discussões para todas as esferas sociais, principalmente educação e saúde. Empoderar com conhecimento o próprio sujeito, o profissional, e esclarecer toda a sociedade sobre essas questões”. Shay, que é uma pessoa não-binária e intersexo (ver quadro abaixo), compreende que há avanços dentro da lógica homem-mulher e macho-fêmea, mas que é difícil levar as pessoas a compreenderem que existem outras formas de existir para além dessas limitações. “Precisamos de mais cientistas dentro das academias pesquisando e levando informação para todas as áreas da sociedade, até desfazermos essa ideia já enraizada de binarismo”.

Apesar de o debate estar avançando, com o aumento da representatividade na mídia e ações afirmativas direcionadas a pessoas trans, ainda há muito a ser feito. Com a crescente onda de conservadorismo, este grupo encontra-se em situação especialmente vulnerável, pois parcela significativa da população ainda alimenta estereótipos em relação a trans e travestis. Um papel importante do Dia Nacional da Visibilidade Trans é justamente o de combater o preconceito com informação, mostrando que essas pessoas têm direito a viver como qualquer outra, e que podem dar contribuições importantes à sociedade. É necessário, para isso, deixar de lado a discriminação e abrir oportunidades.

Helena Vieira, escritora e assessora parlamentar, afirma que uma das maneiras de procurar soluções passa pela maior participação política das pessoas trans, mas que é necessário compreender que as organizações atuais não estão completamente preparadas para lidar com esse tipo de participação. “O espaço da disputa na institucionalidade é absolutamente incapaz de transformar a condição das pessoas trans. Contudo, não ocupar esses espaços significa permitir que outros discursos ocupem e nos excluam ainda mais”.

Ela enfatiza que é preciso compreender as mobilizações de uma forma mais ampla, em que participar das instituições também é uma possibilidade, mas que se deve trabalhar novas formas de fazer política. “A perspectiva desses sujeitos que estiveram sempre destituídos daquilo que a grande política entende como político é absolutamente fundamental para construir novas formas. A formulação de pensamento de um feminismo trans, as festas, as organizações na música, performance, arte, teatro, a invasão no cinema, no documentário, na televisão. Eu acho que existem muitas e múltiplas formas de organização”.

SAIBA MAIS

INTERSEXUAL: o termo substitui a palavra “hermafrodita” e define a pessoa que tem características sexuais femininas e masculinas – genitália e aparelho reprodutor.

NÃO BINÁRIO: o não binário sente que seu gênero está além ou entre homem e mulher e pode defini-lo com outro nome e de maneira totalmente diferente.

TRAVESTI: pessoas que nasceram no gênero masculino, mas se entendem pertencentes ao gênero feminino, porém não reivindicam a identidade “Mulher”.

TRANSEXUAL/TRANSGÊNERO: é o indivíduo que se opõe a ideologia heterocisnormativa imposta socialmente. Pessoas que assumem uma identidade oposta ao gênero que nasceu, que sentem-se pertencentes ao gênero oposto do nascimento. Uma identidade ligada ao psicológico e não do físico, pois nestes casos pode haver ou não uma mudança fisiológica para adequação.

CISGÊNERO: é quando a identidade de gênero do indivíduo está de acordo com a identidade de gênero socialmente atribuída ao seu sexo.

FONTE: Blog Mais Natura - Glossario LGBT - entenda o que é

Bandeira do Orgulho Trans
Bandeira do Orgulho Trans

Uma breve história das bandeiras de orgulho trans e não-binário

As bandeiras de orgulho fazem parte da identidade de diversos grupos dentro da comunidade LGBTQIAP+ há décadas, sendo parte importante do processo de autodeterminação de pessoas nas inúmeras subdivisões de gênero e sexualidade. Cada bandeira tem cores com significados próprios, representando valores que são determinantes para aquele grupo.

Até o fim dos anos 1970, o símbolo utilizado pela comunidade era o triângulo rosa, que remetia à identificação dada a homossexuais na Alemanha nazista. A primeira versão da bandeira do arco-íris, símbolo da identidade LGBT como um todo, foi utilizada na então Parada da Liberdade Gay (hoje Parada do Orgulho) de São Francisco, nos Estados Unidos, em 1978. Nas últimas quatro décadas, novas bandeiras surgiram, entre elas a do orgulho trans e a não-binária.

Bandeira trans é hasteada em prédio de Londres
Bandeira trans é hasteada em prédio de Londres

A bandeira do orgulho trans foi criada em 1999 pela ativista Monica Helms, e é composta de faixas horizontais: uma branca no centro, rodeada por duas faixas rosas, e duas faixas azuis nas bordas. O objetivo é demonstrar as diversas manifestações possíveis de pessoas trans: a cor azul representa os homens trans, o rosa remete às mulheres trans, enquanto o branco diz respeito a quem não se enquadra no binarismo de gênero, às pessoas intersexo, e às intersecções de gênero experimentas durante a transição.

Bandeira do orgulho não-binário representa pessoas que não se enquadram na limitação homem-mulher
Bandeira do orgulho não-binário representa pessoas que não se enquadram na limitação homem-mulher

A bandeira do orgulho não-binário, por sua vez, é mais recente: a versão mais utilizada foi criada somente em 2014 por Kye Rowan, ativista da causa não-binária. É composta por quatro faixas horizontais, de cima para baixo: amarelo, branco, roxo e preto. O amarelo representa as pessoas cujo gênero não se enquadra de forma alguma no binarismo, em oposição às expectativas de “azul para meninos e rosa para meninas”. O branco, por ser a junção de luzes de todas as cores, é relacionado às pessoas que se identificam com vários ou todos os gêneros. O roxo, por ser a mistura das cores habitualmente relacionadas ao masculino e ao feminino, remete a quem possui um gênero entre estes dois, ou uma mistura deles. O preto, por ser a ausência total de cores, representa as pessoas que não têm gênero algum.

É importante compreender, porém, que estas bandeiras não são as únicas que podem representar as diversas identidades de gênero existentes. À medida que os grupos de gênero e sexualidade vão se reconhecendo e amadurecendo suas noções, outras bandeiras vão surgindo para representar novas categorias. Da mesma forma como a bandeira LGBT foi apenas o primeiro passo em relação às várias identidades que se apresentam hoje, o processo de diversidade sexual e de gênero continua evoluindo e incluindo cada vez mais pessoas.

Essa notícia foi relevante pra você?
Recomendada para você

"